Herdeiro da Samsung recorre da sentença de cinco anos de prisão

  • Lusa
  • 28 Agosto 2017

Lee Jae-yong interpôs recurso da decisão judicial junto do Tribunal do Distrito Central de Seul.

O herdeiro do grupo Samsung, Lee Jae-yong, recorreu da sentença que o condenou a cinco anos de cadeia no âmbito do escândalo de corrupção que levou à destituição de ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye.

O advogado de Lee, Kim Jong-hoon, interpôs recurso da decisão judicial junto do Tribunal do Distrito Central de Seul, informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap, sem facultar mais detalhes.

De acordo com a sentença proferida na sexta-feira, que condenou Lee a cinco anos de cadeia, o tribunal considerou provado que foram entregues subornos à então Presidente Park Geun-hye com a expetativa de obter favores do Governo no quadro da sua consolidação como chefe do grupo Samsung.

Lee Jae-yong, de 49 anos, foi também considerado culpado de desvio de dinheiro, de ocultar ativos no estrangeiro, de obter lucros de atos ilícitos e de perjúrio.

O tribunal deu como provado o pagamento de 7.200 milhões de won (5,4 milhões de euros) para financiar o programa de equitação da filha de Choi Soon-sil, conhecida como “Rasputina” pela sua longa amizade com a antiga chefe de Estado da Coreia do Sul, a figura central do escândalo de corrupção que indignou a sociedade sul-coreana.

Espera-se que a primeira audiência de julgamento, na sequência do recurso interposto, tenha lugar no próximo mês.

A sentença do caso que os ‘media’ da Coreia do Sul denominaram de “julgamento do século”, durante o qual o Ministério Público pediu 12 anos de cadeia para Lee, deixou sem líder o maior conglomerado empresarial da Coreia do Sul, que inclui empresas de eletrónica, construção e maquinaria pesada.

Lee tinha-se tornado no patrão de facto da Samsung, depois de o pai ter sofrido um ataque de coração em 2014.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Herdeiro da Samsung recorre da sentença de cinco anos de prisão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião