Irlanda conclui reembolso antecipado ao FMI

  • Lusa
  • 7 Setembro 2017

A Irlanda anunciou hoje que vai terminar o reembolso antecipado do empréstimo concedido pelo FMI, no quadro do programa de assistência financeira internacional concedido depois da crise financeira.

O governo pretende reembolsar 4,5 mil milhões de euros de empréstimos que venciam em 2021 e 2023, de acordo com um comunicado divulgado pela agência de dívida da Irlanda.

Ao pagar este montante antes do prazo previsto, o país vai poupar 150 milhões de euros, correspondentes aos juros que teria de pagar nos próximos anos.

O FMI emprestou 22,5 mil milhões de euros ao país no âmbito do programa de assistência financeira e a Irlanda pagou antecipadamente 18 mil milhões entre dezembro de 2014 e março de 2015, depois de a União Europeia (UE) ter concordado com a possibilidade de pagamento antecipado ao FMI.

Após a crise financeira de 2008, a Irlanda teve de contrair uma pesada dívida para ajudar o setor bancário, ameaçado de colapso pela bolha no imobiliário. Em 2010, foi-lhe concedido um empréstimo no valor total de 85 mil milhões de euros, tendo como principais credores a UE e o FMI.

Além do pagamento ao FMI, a Irlanda anunciou também a intenção de reembolsar a Suécia e a Dinamarca por facilidades de crédito.

Do total do programa de resgate, a Irlanda ainda tem de pagar 45 mil milhões de euros, essencialmente a organismos europeus, segundo o comunicado.

O país tem beneficiado nos últimos anos de um desempenho económico que lhe tem permitido um acesso ao mercado com condições mais favoráveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Irlanda conclui reembolso antecipado ao FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião