IRS: Finanças reembolsaram 2,56 mil milhões de euros

Até 31 de agosto foram processadas 5.161.700 declarações de IRS, mais 162 mil que em igual período do ano passado. Os contribuintes que foram reembolsados receberam, em média, 997 euros.

O Ministério das Finanças revela, em comunicado, que foram reembolsados aos contribuintes 2,56 mil milhões de euros referentes ao IRS de 2016. É um valor 159 milhões de euros acima do ano anterior. Contudo, o Governo também adianta que foram emitidas notas de cobrança referentes a 829 mil declarações, exigindo 1,38 mil milhões de euros aos contribuintes — mais 182 milhões do que no ano passado.

Estando já concluída “a generalidade” da campanha de IRS 2016, as Finanças contabilizam 5.161.700 declarações processadas, mais 162 mil do que em igual período do ano passado. O número de declarações liquidadas aumentou em todos os escalões de rendimentos, exceto no primeiro.

A maioria das declarações (2,6 milhões) deram origem a reembolso, tendo este atingido um valor médio de 997 euros. Houve 1,77 milhões de declarações em que não foi preciso reembolsar os contribuintes nem pedir mais imposto — as contas estavam certas — e as restantes deram origem a nota de cobrança.

806 mil contribuintes com IRS Automático

O Executivo adianta que 806 mil contribuintes fizeram o IRS Automático, o que acelerou o processo de reembolso. No total, o prazo médio de reembolsos baixou para 23 dias — dos anteriores 36 dias — enquanto o prazo de reembolso na entrega automática foi de apenas 12 dias (contra 30 dias no ano anterior). O número de reclamações baixou consideravelmente: houve menos 17.130 processos, tendo sido registados 2.273.

A redução do prazo médio de reembolso do IRS, quando comparado com o verificado em 2016, foi a principal razão que justificou uma evolução do défice orçamental pior do que o esperado nos primeiros seis meses deste ano. O efeito parece, contudo, ter sido temporário, conforme mostrou a execução orçamental referente ao período de janeiro a julho, quando o défice baixou 1.153 milhões de euros face ao mesmo período de 2016.

Para clarificar o impacto dos prazos médios de reembolso nas contas, as Finanças esclarecem quanto foi pago em cada mês, tanto em 2016, como em 2017.

Diferentes perfis de pagamento em 2016 e 2017

Fonte: Ministério das Finanças

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

IRS: Finanças reembolsaram 2,56 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião