Caso Yupido faz duas baixas na auditoria

José Rito e Maria Rebelo deixaram de ser auditores das contas da Yupido esta quinta-feira. Renunciaram aos cargos, de acordo com uma publicação do ministério da Justiça.

Deu entrada no portal das publicações do ministério da Justiça a “cessação de funções” de dois membros dos órgãos sociais da Yupido. Concretamente, abandonam o barco José Luís Freire Rito, fiscal único das contas da empresa, e Maria Clara Ponte da Silva Rebelo, suplente.

José Rito, através a empresa J. Rito & Associada, e Maria Rebelo, ambos revisores oficiais de contas, eram até agora os responsáveis por auditar as contas da Yupido. Segundo o portal, ambos os profissionais renunciaram ao cargo. Na última quinta-feira, o jornal Observador já referia que José Rito tinha solicitado a quebra vínculo com a empresa.

O ECO tentou falar com o porta-voz da Yupido, Francisco Mendes, e José Rito, o auditor que agora cessa funções. No entanto, não foi possível até ao momento.

A Yupido tem estado na agenda mediática devido ao seu elevado capital social, no valor de 28,8 mil milhões de euros. Como veio a ser descoberto, desse valor, apenas 35.002 euros serão cash — tudo o resto são ativos intangíveis, nomeadamente um sistema de gestão de empresas e uma “plataforma digital inovadora” de media.

A despertar ainda mais as atenções está o facto de esta empresa ainda não ter operações, perdendo cerca de 30.000 euros entre 2015 e 2016. Também não tem empregados. Estará a trabalhar em “cerca de 42 patentes”, como avançou ao ECO o porta-voz da companhia.

A empresa garante que tudo é legal e já se mostrou disponível para colaborar com a Polícia Judiciária, como forma de esclarecer as suspeitas. A PJ, entretanto, disse ao Expresso estar a “analisar” o caso, tal como a Procuradoria-Geral da República, a CMVM e a Ordem dos Revisores Oificiais de Contas, uma vez que a avaliação dos ativos intangíveis multimilionários da Yupido tiveram luz verde de um ROC.

(Notícia atualizada às 16h30 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caso Yupido faz duas baixas na auditoria

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião