5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

Mercados reagem à decisão da S&P de retirar a dívida portuguesa do "lixo", enquanto o Eurostat revela a inflação em agosto. Na bolsa, será que a Impresa continua a subir?

O dia ficará marcado pela reação dos mercados à decisão da S&P de subir o rating da dívida pública para um nível de investimento. O Eurostat atualiza também o nível da inflação no mês de agosto e a Volkswagen assinala dois anos desde o escândalo das emissões poluentes.

Mercados reagem à decisão da S&P

Na sexta-feira, a S&P melhorou inesperadamente o rating da dívida pública portuguesa. A decisão surge depois de a Fitch e a Moody’s terem melhorado os respetivos outlooks para um patamar positivo, o primeiro passo para retirarem a dívida pública portuguesa da categoria de investimento especulativo — vulgo “lixo”. No sábado, António Costa, primeiro-ministro, antecipou que as yields da dívida deverão registar uma tendência de queda. Os mercados deverão reagir à notícia, pelo que os investidores estarão atentos ao evoluir dos juros no mercado das obrigações do Tesouro português.

Inflação na Zona Euro

O Eurostat vai atualizar o nível da inflação relativo ao mês de agosto. Segundo a Bloomberg, estima-se que o gabinete europeu de estatística apresente esta segunda-feira um índice de preços no consumidor de 1,5% em agosto, face aos 1,3% no mês anterior. O valor aproxima-se do valor de referência para o banco central europeu, ligeiramente abaixo de 2%, numa altura em que os mercados anteveem o princípio do fim do programa de estímulos monetários.

Membro do BCE fala em Itália

E no dia em que de se atualiza o nível da inflação, Ignazio Angeloni, membro do conselho de supervisão do Banco Central Europeu (BCE), vai falar numa conferência sobre o setor bancário em Itália. Os investidores estarão atentos a qualquer sinal que possa lançar luz sobre como estará o BCE a preparar o fim do quntitative easing este ano, ou mesmo alguma nota sobre a direção do programa no ano que vem.

Impresa continua a ganhar

No último dia 7 de setembro, as ações do grupo Impresa atingiram um mínimo de 22,5 cêntimos. No entanto, desde então, os títulos da dona da SIC não sabem o que são perdas, valorizando 36% até à última sexta-feira. São seis sessões consecutivas de ganhos para a empresa de Francisco Pedro Balsemão. Se as ações se mantiverem no verde esta segunda-feira, será o melhor ciclo de ganhos para a Impresa desde maio. Também o PSI 20 tem estado em alta e, se assim se mantiver, será a maior sequência de ganhos desde março. Nota ainda para a Mota-Engil, que valoriza há 13 sessões consecutivas e está em máximos históricos: 2,877 euros cada título.

Volkwagen, dois anos após o escândalo

Foi a 18 de setembro de 2015, uma sexta-feira, que a Agência de Proteção Ambiental dos EUA acusou formalmente a Volkswagen de manipular as análises às emissões poluentes de alguns dos seus veículos a gasóleo. O caso ficou conhecido por dieselgate e fez as ações da empresa darem um trambolhão de 40% nas três sessões seguintes. Hoje, a empresa assinala dois anos da nova vida e os títulos ainda não recuperaram para os níveis antes do escândalo. Será um dia de balanços para a fabricante alemã.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião