Fisco não consegue dar resposta a reclamações sobre adicional ao IMI

  • ECO
  • 18 Setembro 2017

Vários contribuintes estão a pedir para fazer a atualização das matrizes prediais, mas os funcionários do Fisco têm indicação para não fazer qualquer atualização.

Os serviços das Finanças não conseguem dar resposta às reclamações que têm chegado sobre o adicional ao imposto municipal sobre imóveis (AIMI). A notícia é avançada, esta segunda-feira, pelo Público (acesso condicionado), que dá conta de que os funcionários do Fisco têm indicação para não fazer qualquer atualização das matrizes.

O adicional do IMI incide sobre o património avaliado acima de 600 mil euros, no caso de contribuintes com tributação individual, ou de 1,2 milhões euros, no caso dos casais com tributação conjunta. Vários contribuintes pediram a revisão das matrizes prediais, já que, se os prédios estiverem registados de forma errada ou incompleta, os contribuintes poderão vir a ficar isentos deste imposto.

A atualização das matrizes é possível nos casos em que se comprove, através da escritura pública ou de certidão permanente do registo predial, que a titularidade dos prédios não está devidamente averbada na matriz. Contudo, escreve o Público, uma nota interna nas Finanças dá indicação de que os funcionários não devem fazer qualquer atualização das matrizes neste momento. Não há ainda indicação de quando é que o sistema estará operacional.

Entretanto, os contribuintes que pediram a revisão da matriz não sabem se devem pagar já o imposto — o prazo para o pagamento termina no final deste mês — ou esperar pela resposta à reclamação. À falta de indicações, alguns funcionários do Fisco admitem que será melhor pagar primeiro para evitar processos de contra-ordenação e, se vier a aplicar, pedirem a posterior devolução do valor.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fisco não consegue dar resposta a reclamações sobre adicional ao IMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião