Juros da dívida renovam mínimos antes do primeiro leilão após a S&P

Os juros da dívida nacional continuam em queda, reflexo da revisão em alta do rating por parte da S&P. Portugal vai ao mercado colocar dívida de curto prazo. Quer até 1.750 milhões.

Portugal continua a sentir um alívio nos juros da dívida. As taxas têm vindo a afundar desde que a S&P reviu em alta a notação do país, retirando o rating de “lixo”, tocando mínimos de ano e meio. O IGCP vai testar o mercado após a decisão da agência de notação financeira com um leilão de bilhetes do Tesouro. Quer até 1.750 milhões de euros.

As taxas das obrigações do Tesouro estão novamente em queda, sendo esta uma realidade nos prazos mais longos. No prazo a cinco anos, a taxa desce para 0,923%, já a dez anos regista-se uma descida de 1,5 pontos base para 2,408%, o nível mais baixo desde o final de 2015. No final da semana passada, antes da decisão da S&P, a taxa estava em 2,803%.

Regista-se um forte alívio nos juros da dívida nacional, sendo este visível não só através das taxas em si mas também no diferencial dos juros portugueses face aos de outros países do euro, nomeadamente a Alemanha (o diferencial está abaixo dos 200 pontos base). Um alívio que deverá traduzir-se em juros mais baixos no leilão de dívida de curto prazo.

O Estado português vai voltar aos mercados com leilões de dívida a seis e 12 meses, com os quais espera arrecadar entre 1.500 e 1.750 milhões de euros. O IGCP, agência que gere a dívida pública portuguesa, informou que vai realizar “dois leilões de Bilhetes do Tesouro (BT) que têm maturidades em 16 de março de 2018 (seis meses) e 21 de setembro de 2018 (um ano).

Em 19 de julho, Portugal colocou 1.750 milhões de euros, montante máximo anunciado, em bilhetes do Tesouro a seis e a 12 meses, a taxas de juro médias ainda mais negativas do que as dos anteriores leilões comparáveis. A 12 meses foram colocados 1.250 milhões de euros em BT à taxa de juro média de -0,259%. A seis meses, foram colocados 500 milhões de euros em BT à taxa média de -0,292%.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida renovam mínimos antes do primeiro leilão após a S&P

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião