Portugueses têm 21% do PIB em offshores

  • ECO
  • 20 Setembro 2017

Os portugueses são das nacionalidades que mais dinheiro têm em offshores relativamente ao PIB do país, segundo um estudo norte-americano que permitiu fazer estimativas robustas.

Os portugueses são das nacionalidades que mais dinheiro tem em contas de paraísos fiscais relativamente à percentagem do PIB do país — o equivalente a 21%, ou mais de um quinto, da riqueza produzida em Portugal num ano estaria detida por portugueses em paraísos fiscais em 2007. A estimativa é do estudo da Universidade da Califórnia Quem detém a riqueza nos paraísos fiscais?, divulgado na semana passada e sobre o qual o Jornal de Negócios (acesso pago) escreve esta quarta-feira.

Os investigadores Gabriel Zucman, Annette Alstadsaeter e Niels Johannesen atualizaram uma base de dados para com informações mais recentes para poderem chegar a estimativas concretas sobre a origem do dinheiro nos paraísos fiscais em 2007. Cerca de 10% do PIB mundial, 5,6 mil milhões de dólares em 2007, estaria então depositado nestes offshores. Portugal surge em 11.º na lista, com apenas a Grécia, entre os europeus, a ultrapassar os portugueses na quantidade de dinheiro em contas lá fora.

O estudo concluiu ainda que a carga fiscal aplicada nos países não parecia ter uma relação muito direta com quanto dinheiro os seus cidadãos deixavam no exterior. “A dimensão da riqueza em offshores não é facilmente explicada por fatores fiscais ou institucionais”, escreveram os autores, citados pelo Negócios. Segundo os autores, depende mais da história recente do país e mesmo da sua proximidade física com a Suíça. A Noruega e a Dinamarca, que têm dos impostos mais altos do mundo, estão entre os países com níveis mais baixos de dinheiro em offshores — assim como o Japão, que tem impostos baixos.

Desde 2007, a data desta estimativa, as mudanças terão sido principalmente geográficas no sentido em que a Suíça perdeu importância enquanto paraíso fiscal para centros como Hong Kong e outros paraísos fiscais asiáticos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses têm 21% do PIB em offshores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião