Lisboa, Porto e Sintra é onde mais se reclama da Câmara

Estudo do Portal da Queixa mostra que Lisboa, Porto e Sintra lideraram no número de reclamações dirigidas à Câmara Municipal. Aumento das queixas é ainda proporcional ao poder de compra.

As Câmaras de Lisboa, Porto e Sintra são os municípios alvo de mais reclamações no Portal da Queixa, uma plataforma na internet onde os cidadãos podem apresentar reclamações contra entidades públicas ou privadas. A conclusão faz parte de um estudo que abrangeu as reclamações feitas na plataforma entre setembro de 2013 e setembro de 2017, a duração deste mandato autárquico que está prestes a chegar ao fim.

Numa nota enviada à comunicação social, o Portal da Queixa destaca que Lisboa (com 204 reclamações no período), Porto (alvo de 129 queixas) e Sintra (com 126 reclamações) lideram o ranking das 20 autarquias com mais reclamações, seguindo-se Seixal, Vila Nova de Gaia e Matosinhos.

Mas o trabalho foi ainda mais longe. Com o apoio da Social Data Lab, o Portal da Queixa olhou para as estatísticas em detalhe, recorrendo à variável do número de reclamações per capita, isto é, o número de queixas por cada 100.000 habitantes, uma vez que a dimensão das autarquias é diferente. A conclusão é a de que as reclamações “não se distribuem de forma uniforme pelo território português”, indica o portal.

Concretamente, o Portal da Queixa descobriu que o número de queixas é diretamente proporcional ao grau de urbanização e do poder de compra de determinado concelho, assim como em função do nível médio de instrução dos munícipes. “Ou seja, aumentam em função do grau de desenvolvimento das populações”, refere a entidade. Além do mais, “as reclamações diminuem nos concelhos onde a percentagem de população sem o ensino secundário é maior. Ou seja, diminuem nos concelhos onde há menos instrução”, acrescenta.

Outros dados curiosos: a média é a de 16 queixas por 100.000 habitantes e só Lisboa e Porto excedem esse valor. “Este resultado conduz à ideia de existir uma correlação positiva entre o grau de urbanização e a variável em estudo, sendo as zonas mais urbanizadas do país aquelas que apresentam uma incidência de reclamações per capita superior” explica o Portal da Queixa.

E conclui: o estudo evidencia “uma atitude moderna, de maturidade civilizacional e de consciência cívica, atestando o impacto social da plataforma no seio da sociedade portuguesa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa, Porto e Sintra é onde mais se reclama da Câmara

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião