Diretor da Startup Lisboa: “Nunca estamos satisfeitos”

Miguel Fontes, líder da Startup Lisboa, disse numa conferência do ECO: "Alguns ficam preocupados com este momento, e sobre se estamos a embandeirar em arco. Nós nunca estamos satisfeitos", afirmou.

Miguel Fontes, diretor da Startup LisboaPaula Nunes / ECO 22 Setembro, 2017

A “histeria” em torno do empreendedorismo foi um dos temas abordados na conferência “Start Tech – Empreendedorismo e Tecnologia”, promovida pelo ECO esta sexta-feira. Ora, no encerramento, levado a cabo por Miguel Fontes, o responsável da Startup Lisboa apontou: “Nunca estamos satisfeitos.”

“Alguns ficam preocupados com este momento, com o deslumbramento, e sobre se estamos a embandeirar em arco. Nunca estamos satisfeitos. Claro que umas coisas correm bem. Claro que haverá coisas que vão estoirar. Mas isso significa exigência”, apontou Miguel Fontes, destacando que há queixas quando as coisas não correm bem, e outras queixas quando as coisas até avançam de vento em popa.

“A Startup Lisboa vai continuar a tentar adaptar-se a este momento e perceber qual é o seu papel. Agora estamos numa liga que é diferente”, apontou, referindo-se à transformação e crescimento que a Web Summit, um dos grandes eventos deste segmento, trouxe ao ecossistema empreendedor português.

"Alguns ficam preocupados com este momento, com o deslumbramento, e sobre se estamos a embandeirar em arco. Nunca estamos satisfeitos.”

Miguel Fontes

Diretor da Startup Lisboa

Sobre o evento organizado pelo ECO, Miguel Fontes indicou, como conclusão: “Esta conferência mostrou de forma muito evidente como se faz um ecossistema. Faz-se destes lados todos: aqueles que estão a conseguir ter resultados e os que não. É a cultura da tentativa, a cultura de valorizar quem faz, e não de consagrar quem foi o primeiro ou que é o segundo. A vida, se há coisa que a define, é um carrossel. Está uma vezes em cima, outras vezes em baixo.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diretor da Startup Lisboa: “Nunca estamos satisfeitos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião