Salário médio português é 561 euros mais baixo do que o alemão

Os salários mais baixos explicam-se, em parte, com a prevalência de segmentos mais mal pagos no mercado de trabalho português, conclui um estudo da Confederação Europeia de Sindicatos.

O salário médio em Portugal é 561 euros mais baixo do que o salário médio praticado na Alemanha, considerando já os custos de vida de cada país. A conclusão de um estudo elaborado por investigadores da Confederação Europeia de Sindicatos, que analisa as discrepâncias salariais entre os vários países europeus, tendo a Alemanha como termo comparativo.

Os autores do estudo O que motiva as disparidades salariais na Europa? tomam por base uma remuneração média, na Alemanha, de 1.500 euros, valor que está ajustado à paridade do poder de compra. Fazendo a comparação entre vários países, o estudo conclui que “as diferenças salariais entre a Europa de leste e a ocidental parece ser motivada por uma baixa remuneração do trabalho qualificado” nos países com salários mais baixos.

Os autores desconstroem também o mito da baixa produtividade em alguns países e escrevem que, quando se comparam “trabalhadores semelhantes em cargos semelhantes, a diferença salarial entre a Alemanha e os países com salários mais baixos é ainda maior”. A grande exceção é Portugal, “onde os salários mais baixos do que na Alemanha se explicam, em parte, com a prevalência de segmentos mais mal pagos no mercado de trabalho“.

Discrepâncias salariais na União Europeia

Fonte: Confederação Europeia de Sindicatos.

Portugal surge, assim, como o sétimo país com os salários mais baixos da União Europeia. Abaixo, só mesmo os países da Europa de leste.

A Roménia aparece no fundo da tabela, com um salário médio 944 euros inferior aos que são pagos na Alemanha. Hungria, Bulgária, Letónia e Croácia são os restantes países com salários mais baixos do que em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Salário médio português é 561 euros mais baixo do que o alemão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião