Governo aprova até ao fim deste ano novo programa para internacionalizar economia

  • Lusa
  • 25 Setembro 2017

O Governo quer aumentar a exportações nacionais e captar investimento direto estrangeiro. O programa inclui medidas em áreas como a qualificação de recursos humanos ou apoios para acesso aos mercados.

O Governo vai aprovar, até ao final deste ano, um programa para a internacionalização da economia portuguesa, documento que em outubro recolherá contributos das associações empresariais e que se pretende pôr em prática no início de 2018.

Este calendário foi apresentado aos jornalistas pelo secretário de Estado Eurico Brilhante Dias, no final de mais uma reunião do Conselho Estratégico para a Internacionalização da Economia Portuguesa, que se realizou em São Bento e que foi presidida pelo primeiro-ministro, António Costa.

De acordo com Eurico Brilhante Dias, durante a reunião, que durou cerca de duas horas e meia, o Governo apresentou às associações empresariais um documento de trabalho sobre o “Programa Internacionalizar”, com o qual se pretende articular os setores privado e público numa estratégia para aumentar as exportações nacionais e a captação de investimento direto estrangeiro.

“O documento base apresentado teve um acolhimento muito favorável por parte das associações empresariais. Entramos agora numa segunda fase em que, durante o mês de outubro, as associações empresariais darão os seus contributos para enriquecer o documento”, referiu o secretário de Estado para a Internacionalização.

Concluída a fase de recolha de contributos por parte do setor empresarial, segundo Eurico Brilhante Dias, será então levada a Conselho de Ministros, até ao final deste ano, a versão final do “Programa Internacionalizar”.

"Esperamos iniciar 2018 com um novo instrumento, tendo em vista proporcionar um salto qualitativo importante no que respeita à forma como o país é percebido no exterior e como se organiza ao nível da captação de investimento.”

Eurico Brilhante Dias

Secretário de Estado para a Internacionalização

“Esperamos iniciar 2018 com um novo instrumento, tendo em vista proporcionar um salto qualitativo importante no que respeita à forma como o país é percebido no exterior e como se organiza ao nível da captação de investimento”, declarou o secretário de Estado.

Eurico Brilhante Dias detalhou ainda que foram apresentadas 56 medidas concretas aos parceiros sociais e às associações empresariais.

“Apresentámos um conjunto de medidas em áreas como a inteligência competitiva, promoção da marca Portugal, captação de informação, qualificação de recursos humanos e do território, financiamento para a internacionalização e apoios para acesso aos mercados. Nesta reunião, o Governo avançou ainda com medidas para a eliminação de custos de contexto, em particular no que respeita ao objetivo de acabar com determinadas barreiras tarifárias”, apontou o dirigente socialista, referindo-se aqui a alguns entraves que se verificam às exportações de medicamentos e de bens agrícolas.

“Portugal partilha a sua pauta aduaneira no quadro da União Europeia, mas hoje há igualmente um conjunto de barreiras não tarifárias para esses dois setores em particular. No âmbito bilateral, o Governo português está fortemente empenhado em reduzi-las“, frisou o membro do executivo.

Em termos de metas económicas a médio prazo, o secretário de Estado para a Internacionalização afirmou que o Governo espera que a execução do programa “Internacionalizar” permita um aumento do peso das exportações no Produto Interno Bruto (PIB).

Queremos principalmente que as exportações cresçam acima dos valores do aumento do PIB, que haja uma forte diversificação de mercados e que se registe progressivamente uma mudança da estrutura do investimento direto estrangeiro captado pelo país, que continua a ter um peso muito significativo ao nível dos serviços financeiros e dos seguros”, observou.

Nesta área do investimento direto estrangeiro, Eurico Brilhante Dias referiu que a estratégia pressupõe sobretudo um aumento da aposta na captação de capital externo dirigido à indústria transformadora.

“O Governo dá ainda um especial ênfase ao aumento do valor acrescentado nacional no conjunto das exportações do país. Temos de aumentar a componente nacional por cada euro que exportamos”, acrescentou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo aprova até ao fim deste ano novo programa para internacionalizar economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião