Revista de imprensa internacional

Em França, Macron perdeu as eleições para o Senado. No Japão, o atual Governo prepara-se para marcar eleições antecipadas. Nos EUA, Trump renovou o decreto anti-imigração.

A interferência russa nas eleições norte-americanas continua a ser discutida do outro lado do Atlântico. Desta vez foi revelado que o Facebook sabia da atividade dos hackers meses antes das eleições se realizarem. O Presidente eleito, Donald Trump, decidiu expandir o seu decreto anti-imigração à Venezuela e à Coreia do Norte. Já o seu embaixador no Reino Unido pediu aos britânicos para investirem mais em defesa.

Politico

Macron perde eleições para o Senado

O resultado já era esperado, mas não deixa de ser um percalço no percurso do atual Presidente francês que, assim, terá maior dificuldade em aplicar as suas reformas. Os republicanos venceram tal como previsto: os senadores são escolhidos pelos presidentes de câmara e nas últimas eleições locais o Partido Republicano tinha ganho a maioria. O Senado renovou 171 dos seus 348 lugares.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Washington Post

Facebook identificou hackers russos meses antes das eleições

Fontes próximas da rede social revelaram ao jornal norte-americano que a empresa sabia da criação de contas russas falsas meses antes das eleições. A estratégia do grupo de hackers, alegadamente contratados pelo Governo russo, passava por comprar “fake news” — ao todo terão gasto 100 mil dólares em anúncios de caráter político. O Facebook terá contactado o FBI quando descobriu, mas — após uma análise — as autoridades norte-americanas concluíram que o grupo tinha como objetivo lucrar e não influenciar as eleições. Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Reuters

Primeiro-ministro japonês prepara-se para dissolver Parlamento

Shinzo Abe planeia dissolver a câmara baixa do Parlamento em breve, segundo um deputado do Partido Liberal Democrata. O objetivo do atual primeiro-ministro japonês é consolidar o seu apoio parlamentar numa altura em que a oposição japonesa está enfraquecida e o perigo eminente dos testes nucleares da Coreia do Norte tem agitado as águas políticas. A sessão extraordinária do Parlamento irá acontecer esta terça-feira.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Bloomberg

Casa Branca inclui Venezuela e Coreia do Norte na lei anti-imigração

A ordem executiva, que tem encontrado oposição nos tribunais, estava prestes a terminar. Na renovação, Donald Trump decidiu incluir a Venezuela e a Coreia do Norte aos seis países muçulmanos que já proibia — o Sudão foi retirado da lista. Continuam, por isso, proibidos de viajar para os EUA os cidadãos do Irão, Líbia, Somália, Síria e Iémen. Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Telegraph

EUA pressionam Reino Unido a gastar mais em defesa

O embaixador norte-americano Woody Johnson assinalou que o Reino Unido deveria estar a gastar mais de 2% do seu PIB em defesa, nomeadamente com a NATO. Em entrevista ao Telegraph, Woody Johnson afirmou que os britânicos devem decidir se “o mínimo” investimento em defesa é “suficiente”. “Os Estados Unidos gastam mais do dobro e ainda pode vir a gastar mais”, argumentou. Esta é uma das prioridades da Casa Branca: fazer com que os países cumpram os 2% a que estão obrigados pela NATO.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso parcial)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião