Popular investigado por dar informação falsa sobre as suas contas no aumento de capital

  • ECO
  • 26 Setembro 2017

O Procurador Anticorrupção fala em suposta prática de manipulação de mercado devido à prestação de informação falsa antes da alienação do Popular ao Banco Santander por um euro.

A investigação à queda do espanhol Popular é alvo de mais um episódio. O Procurador Anticorrupção, em Espanha, pediu ao juiz da Audiência Nacional, Fernando Andreu, que está à frente da investigação à queda do Banco Popular que separe a causa em dois processos. Um processo relacionado com o aumento de capital solicitado pelo banco que visou angariar 2.505 milhões de euros e outro por suporta prática de manipulação de mercado devido à prestação de informação falsa antes da alienação ao Banco Santander por um euro, segundo avança o Cinco Dias (acesso grátis).

O jornal espanhol diz que num pedido enviado por escrito em que é pedida a admissão de cerca de trinta queixas interpostas contra os ex-presidentes do banco — Angel Ron e Emilio Saracho — e contra o auditor PWC, o procurador alega que os factos são passíveis de serem considerados um delito de mercado e contra os consumidores. O Procurador Anticorrupção alega que para angariar capital, o Popular disponibilizou através do prospeto de investimento, informações relativas às suas contas que “não refletiam a verdadeira situação económica da instituição”.

Refere ainda que a manobra relativa ao exercício de 2016 teve uma “grave repercussão na segurança da transação” não só pelo montante solicitado pela entidade, mas também pelo “descrédito e desconfiança” que gerou no sistema financeiro e por milhares dos acionistas “potencialmente afetados”.

O procurador relata que o banco lançou uma campanha de difamação através da publicação de notícias contendo dados ou informações falsas, a fim de reduzir o valor de suas ações e assim obter lucros significativos.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Popular investigado por dar informação falsa sobre as suas contas no aumento de capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião