Esperança média de vida aumentou para 80,62 anos. Mulheres vivem mais tempo

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 27 Setembro 2017

Os homens podem esperar viver até aos 77,62 anos e as mulheres até aos 83,33 anos. É no Norte que se registam os valores mais elevados para o total da população.

Os portugueses vivem cada vez mais tempo. A esperança média de vida aumentou para 77,61 anos no caso dos homens e para 83,33 anos no caso das mulheres no triénio 2014-2016.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) publicados esta quarta-feira revelam ainda que em causa está um ganho de 1,44 anos para os homens e de 1,14 anos para as mulheres face aos valores estimados para 2008-2010.

“À nascença, a esperança de vida continua a ser superior para as mulheres; mas a diferença para os homens tem vindo a diminuir, sendo agora de 5,72 anos (face a 6,02 em 2008-2010)”, indica o destaque do INE relativo às tábuas de mortalidade.

Para o total da população, a esperança de vida à nascença foi estimada em 80,62 anos. É na região Norte que se verificam os valores mais altos tanto para o total da população (80,99 anos) como para os homens. No caso das mulheres, o valor mais elevado regista-se no Centro (83,66 anos).

A maior diferença entre homens e mulheres verifica-se nas regiões autónomas da Madeira e dos Açores, “onde as mulheres podem esperar viver em média, respetivamente, mais 7,45 anos e mais 7,03 anos do que os homens”, indica o INE.

A esperança de vida aos 65 anos aumentou para 19,31 anos para o total da população no triénio em análise. É com este dado que o Governo tem vindo a calcular o fator de sustentabilidade a aplicar às novas pensões antecipadas — o valor para 2017 foi conhecido no final de 2016, quando o INE publicou os dados provisórios. Porém, o Executivo já anunciou a intenção de acabar com o fator de sustentabilidade, começando pelos trabalhadores com carreiras contributivas muito longas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esperança média de vida aumentou para 80,62 anos. Mulheres vivem mais tempo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião