Revista de imprensa internacional

O valor dos negócios dos fundos de capital de risco está em máximos de 2007. Nos EUA, a desigualdade atinge recordes. Já a Coreia do Sul espera mais provocações por parte da Coreia do Norte.

212 mil milhões de dólares. É este o valor exorbitante dos negócios realizados pelos fundos de capital de risco no mundo, um máximo só comparável com 2007. Contudo, o capital continua a estar concentrado numa parte dos cidadãos: nos EUA, a desigualdade também atingiu máximos. A Coreia do Sul continua a temer a Coreia do Norte, a União Europeia deverá fazer uma concessão ao Reino Unido e há um partido europeu que tem de devolver 617 mil euros ao Parlamento Europeu.

Financial Times

Valor dos negócios dos fundos de capital de risco atinge máximo de 2007

Os valores recorde de capital por gastar, de dívida barata e de condições de acesso ao financiamento muito favoráveis levaram a que os negócios realizados pelos fundos de capital de risco atingisse os 212 mil milhões de dólares — o nível mais elevado numa década. Depois da crise financeira, o mundo já viu alguns negócios milionários: é o caso da unidade de cartões de memória da Toshiba por 18 mil milhões de dólares ou a venda da norte-americana Staples por 6,5 mil milhões de dólares.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso pago)

CNN Money

Desigualdade atinge máximo nos EUA

Os 1% do topo controlaram 38,6% da riqueza norte-americana no ano passado. É esta a conclusão de um estudo da Reserva Federal, publicado na quarta-feira, e representa um número recorde de desigualdade no país. A fatia de riqueza controlado pelos 1% mais ricos é quase o dobro da riqueza das restantes 90% famílias menos ricas. Esta percentagem de cidadãos norte-americanos tem apenas 22,8% da riqueza, abaixo dos 33% que se registavam em 1989.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Reuters

Coreia do Sul espera mais provocações da Coreia do Norte a meio de outubro

As autoridades sul-coreanas ainda não respiram de alívio face à ameaça de Kim Jong-un. A Coreia do Sul prevê que haja uma nova provocação em breve quando o partido comunista que domina a Coreia do Norte celebrar o seu aniversário. Perto dessa altura ocorre também o congresso do Partido Comunista Chinês. Segundo um deputado sul-coreano, o presidente Moon Jae-in considerou que o país “não pode ir de novo para a guerra”, ainda que os EUA falem da opção militar.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

Bloomberg

UE considera conceder um período de transição para o Brexit

Foi uma das últimas exigências de Theresa May e parece que os líderes europeus vão ceder. Em causa está um período de transição pós-Brexit pedido pela primeira-ministra britânica para que os impactos económicos de sair da União Europeia sejam sentidos de forma mais leve. Apesar de ser algo menor face aos temas que estão a ser negociados, esta concessão poderá desbloquear o impacto das negociações onde ambas as partes continua a discordar nos termos em que o Reino Unido vai sair da UE.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso gratuito)

EU Observer

Partido europeu conservador tem de devolver 617 mil euros ao Parlamento

A Aliança dos Conservadores e Reformistas da Europa (ACRE), um partido eurocético ligado à família política dos conservadores, tem de devolver 617 mil euros ao Parlamento Europeu. Este partido pan-europeu, cujo presidente é da República Checa, usou esses fundos para promover o partido em âmbitos nacionais, o que é proibido. Segundo as regras europeias, não é permitido usar os subsídios para propaganda política.

Leia a notícia completa aqui. (Conteúdo em inglês / Acesso livre)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião