Passos não se demite, mas avalia recandidatura

O líder do PSD assume um dos piores resultados de sempre do partido. O presidente do PSD não se demite, mas vai ponderar se avança com a recandidatura à liderança.

Passos Coelho assumiu aquele que deverá ser “um dos piores resultados de sempre do PSD”, admitindo que não deixará de avaliar os resultados. O presidente do PSD não se demite, mas vai ponderar se avança com a recandidatura à liderança do partido.

Salientando que não é um “bom princípio” uma demissão na sequência de resultados de eleições autárquicas, Pedro Passos Coelho frisou que fará uma “reflexão sobre as condições” em que poderá colocar-se “em disputa interna do PSD para o próximo mandato”, que “será o mandato que virá a conhecer as eleições legislativas”.

“Disse desde o início que as eleições locais são sobretudo eleições locais e não eleições nacionais, mas evidentemente há sempre leituras nacionais e responsabilidade nacional nos resultados que foram alcançados e, nessa medida, não posso hoje, como presidente do PSD, deixar de assumir a responsabilidade por esse resultado que foi alcançado” afirmou Passos.

A reflexão mais aprofundada dos resultados fica agendada para terça-feira, no Conselho Nacional do partido. “Não posso deixar de dizer, quer aos nossos militantes, quer aos portugueses, que não deixarei de ponderar devidamente os resultados que foram alcançados na medida em que a estratégia nacional não ficará seguramente imune à avaliação que desses resultados vier a ser feita.”

"As eleições locais são sobretudo eleições locais e não eleições nacionais, mas evidentemente há sempre leituras nacionais e responsabilidade nacional nos resultados que foram alcançados e, nessa medida, não posso hoje, como presidente do PSD, deixar de assumir a responsabilidade por esse resultado que foi alcançado.”

Pedro Passos Coelho

Presidente do PSD

Mas isto não significa uma demissão, disse o presidente do PSD. “Disse que não me demitiria da presidência do PSD em resultado de eleições locais e mantenho aquilo que disse”, afirmou.

“O resultado desta noite foi um resultado muito pesado para o PSD e eu não gosto de fugir às minhas responsabilidades”, frisou ainda.

Questionado sobre as causas dos resultados, o presidente do PSD salientou que esta não é a altura certa para encontrar explicações, indicando que haverá também causas nacionais e não apenas locais. Admitiu que o PSD perdeu câmaras que nunca pensou perder, mas também ganhou algumas com que não contava. Por outro lado, os números são agora significativamente inferiores aos conseguidos há quatro anos, já de si negativos, admitiu. Importa agora perceber se a orientação estratégica deve ser mantida ou alterada, indicou ainda o líder dos social-democratas.

O presidente do PSD põe de lado a antecipação de eleições no partido, entendendo que o calendário é o adequado.

(Notícia atualizada às 00h07)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos não se demite, mas avalia recandidatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião