PSD: “Não cumprimos os objetivos, isso é evidente”

Carlos Carreiras, coordenador autárquico nacional do PSD, assume responsabilidades e retira culpas de Pedro Passos Coelho.

O PSD não cumpriu os objetivos que tinha estabelecido para estas eleições autárquicas, mas aguarda “com serenidade” os resultados finais para conhecer as autarquias que ganhou. A mensagem foi transmitida por Carlos Carreiras, coordenador autárquico nacional do PSD, que assume responsabilidades pela derrota e retira culpas de Pedro Passos Coelho.

“Dos resultados que se vão conhecendo, não é expectável que tenhamos cumprido o objetivo a que nos tínhamos proposto. Mas chegam-nos informações de que há câmaras que ganhámos e câmaras que ganhámos ao PS“, começou por dizer Carlos Carreiras, em declarações transmitidas pela RTP.

“As eleições são justas e os eleitores escolheram aquilo que consideraram melhor para o país (…). Mas não cumprimos os objetivos, isso é evidente“, reconhece o também presidente da Câmara Municipal de Cascais (ainda não há projeções para os resultados de Cascais nestas autárquicas), ressalvando, ainda assim, que o partido vai “aguardar com serenidade” pelos resultados finais.

Confrontado com as declarações de Manuela Ferreira Leite, que disse num comentário na TVI que Pedro Passos Coelho “não tem” condições para continuar a liderar o partido, Carlos Carreiras assumiu as responsabilidades. “Se há que apurar uma responsabilidade, a nível nacional, é minha. Que eu saiba, Pedro Passos Coelho não foi candidato a nenhuma câmara nem a nenhuma freguesia”, disse Carreiras, salientando ainda que não há “qualquer razão para fazer uma extrapolação nacional” dos resultados autárquicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD: “Não cumprimos os objetivos, isso é evidente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião