FMI: Endividamento das famílias pode levar a nova crise

  • Lusa
  • 3 Outubro 2017

A instituição alerta para o crescente endividamentos das famílias que, ainda que traga benefícios a curto prazo, pode levar a uma espiral negativa.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) está preocupado com o crescente endividamento das famílias no mundo, considerando que se não for equilibrado pode levar a uma nova crise financeira e económica. No Relatório de Estabilidade Financeira Global, divulgado esta terça-feira, o FMI analisa 80 economias desenvolvidas ou em vias de desenvolvimento, considerando que se assistiu a um aumento do endividamento das famílias.

Nas economias avançadas, o rácio do endividamento das famílias face ao Produto Interno Bruto (PIB) passou de 52% em 2008 para 63% em 2016, enquanto nas economias designadas de emergentes passou de 15% para 21%. Este endividamento diz respeito a crédito para compra de casa, para compra de carro ou para educação ou férias.

Apesar de o FMI considerar, baseando-se em estudos, que a curto prazo há um efeito positivo na economia do aumento da dívida das famílias, já que ajuda ao crescimento económico e à criação de emprego, já a médio prazo — três a cinco anos — considera que pode pôr em causa a estabilidade macroeconómica e financeira.

"O rápido crescimento da dívida das famílias, especialmente de dívidas hipotecárias [geralmente para compra de casa], pode ser perigoso.”

Nico Valckx

Economista do FMI

O FMI pede, assim, aos políticos e reguladores para “equilibrarem cuidadosamente” os benefícios e riscos do endividamento das famílias, incluindo com medidas que mitiguem os riscos, como aumentar a entrada que as famílias têm de dar quando pedem empréstimo bancário para comprar casa, evitando endividamentos excessivos. Um dos economistas do FMI Nico Valckx considerou, num dos documentos que acompanha o relatório, que é “surpreendente” o aumento da dívida das famílias, quando se pensava que as “pessoas estavam mais cautelosas” após a crise financeira.

O economista admite que a dívida tem vantagens, como permitir investimentos, comprar casa ou ir à universidade, entre outras possibilidades. Contudo, advertiu, “o rápido crescimento da dívida das famílias, especialmente de dívidas hipotecárias [geralmente para compra de casa], pode ser perigoso”. Como a crise financeira de 2008 demonstrou, avisa ainda, um choque económico – como a queda dos preços das casas – pode levar a uma espiral negativa, pondo desde logo em causa o sistema financeiro e, posteriormente, toda a economia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI: Endividamento das famílias pode levar a nova crise

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião