Groupama vende ramo português dos seguros à China Tianying

  • Lusa
  • 3 Outubro 2017

A seguradora Groupama vendeu a sua operação em Portugal ao grupo chinês China Tianying, aguardando-se agora a ‘luz verde’ dos reguladores. O valor do negócio não foi revelado.

A seguradora Groupama vendeu a sua operação em Portugal ao grupo chinês China Tianying, aguardando-se agora a ‘luz verde’ dos reguladores ao negócio, cujo valor não foi revelado. A informação foi hoje avançada pela sociedade de advogados Garrigues, que em comunicado de imprensa deu conta de que assessorou a francesa Groupama “na venda da totalidade da sua unidade de negócio em Portugal (ramos vida e não vida) – por via da transmissão de 100% do capital social da Groupama Seguros de Vida – à subsidiária portuguesa da China Tianying”.

O acordo para a venda foi assinado em 22 de setembro, faltando agora a ‘luz verde’ dos reguladores para que a transação se concretize. “A transação foi coordenada, do ponto de vista legal, pelo sócio Mário Lino Dias e pelo associado sénior Luís Pedro Oliveira”, finalizou a Garrigues em comunicado.

O mercado português de seguros tem conhecido movimentações nos últimos anos, desde logo com investimento chinês na seguradora com maior quota de mercado, a Fidelidade. Em 2014, o grupo chinês Fosun passou a deter 80% da Caixa Seguros (que inclui a Fidelidade), que pertencia à Caixa Geral de Depósitos. Em setembro último, foi conhecido que a Associação Mutualista Montepio Geral fez um acordo com o grupo chinês CEFC para eventuais parcerias a decidir no futuro. A imprensa adiantou que essa parceria poderá incluir a seguradora Lusitânia, do Montepio.

Quanto a outras seguradoras que operam em Portugal, o grupo norte-americano Apollo comprou em 2015 a seguradora Tranquilidade (que pertencia ao BES e, na resolução, ficou com o Novo Banco) e, mais recentemente, adquiriu a Açoreana (que era do Banif). Já em 2016, o grupo segurador belga Ageas comprou a operação da Axa em Portugal.

Este ano ficou a saber-se que a seguradora GNB Vida (ex-BES Vida) está em processo de venda, tendo dito em agosto Novo Banco, que a detém, que espera conseguir acordo para o negócio até final deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Groupama vende ramo português dos seguros à China Tianying

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião