Renzi alerta BCE para “crise do crédito”… 140 caracteres de cada vez

  • ECO
  • 6 Outubro 2017

A plataforma Twitter foi a escolhida pelo antigo primeiro-ministro italiano para expressar as suas preocupações relativamente às novas medidas do crédito malparado, anunciadas pelo BCE esta semana.

Um par de tweets na passada quinta-feira foi o suficiente para Matteo Renzi mostrar a sua posição relativamente às novas intenções do Banco Central Europeu no que toca ao crédito malparado. Embora não refira especificamente o BCE, o antigo primeiro-ministro italiano faz uma alusão à proposta apresentada na passada quarta-feira pela instituição financeira, alertando para uma “crise do crédito” caso se avance com a cobertura de 100% dos empréstimos em incumprimento, avança o Financial Times (acesso pago/conteúdo em inglês).

No primeiro tweet, Renzi critica “alguns dirigentes europeus do setor bancário” por terem ignorado “que o seu dever é EVITAR uma crise do crédito, não CRIÁ-LA”. Uma hora mais tarde, o diplomata italiano disse que a medida em discussão impossibilitará o acesso ao crédito por pequenas empresas. “Estamos a cometer os mesmos erros de 2013”, conclui.

Na passada quarta-feira, o BCE apresentou as suas intenções para os bancos europeus deixarem de lado o total de 100% do crédito malparado num prazo máximo de dois anos. Os bancos italianos são dos mais afetados pela acumulação de crédito em incumprimento. A medida estará em discussão até 8 de dezembro e é pretendido que entre em vigor a partir de janeiro de 2018.

Embora a medida pretenda aliviar os bancos da acumulação de crédito mal parado, as instituições bancárias italianas têm visto as suas ações a cair 2,7% ao longo desta semana. Em causa está a preocupação que a medida do BCE falhe e assim recaia sobre a confiança no setor bancário e na recuperação económica.

Um oficial anónimo do Banco de Itália refere ao Financial Times que em Roma se espera que o banco central aplique uma versão mais leve da medida. O mesmo sublinha que o BCE deve refletir sobre o atraso na recuperação da economia italiana, em comparação com a restante zona euro, bem como a maior lentidão na gestão do malparado no país.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Renzi alerta BCE para “crise do crédito”… 140 caracteres de cada vez

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião