Venda do Novo Banco assinada hoje às 11h30

Banco de Portugal, Fundo de Resolução e Lone Star assinam esta quarta-feira de manhã, pelas 11h30, o contrato de venda do Novo Banco ao fundo norte-americano, apurou o ECO.

Mais de três anos depois da medida de resolução aplicada ao BES, o Novo Banco vai finalmente ser vendido. O contrato de venda do banco de transição ao fundo norte-americano Lone Star pelo Banco de Portugal e Fundo de Resolução é assinado esta quarta-feira, às 11h30, apurou o ECO. Cerimónia terá lugar no Banco de Portugal.

Celebrado o negócio, os americanos passam a controlar 75% do Novo Banco mediante a prometida injeção de 1.000 milhões de euros na instituição, isto depois de concluída com sucesso a oferta de recompra de dívida no início do mês e da autorização de Bruxelas às ajudas estatais na semana passada.

De resto, o Novo Banco aprovou já esta segunda-feira o aumento de capital de 750 milhões de euros, a primeira tranche do reforço de capital que ficou acordado com o fundo americano. A segunda tranche de 250 milhões será concluída até ao final deste ano.

Conforme revelou o ECO em primeira mão, o Lone Star prepara-se para mudanças na estrutura de governo do Novo Banco. Vai criar um Conselho Geral de Supervisão que será liderado pelo inglês Byron Haines e que será composto integralmente por membros estrangeiros: três indicados pelo Lone Star (Donald Quintin, Benjamin Dickgieβer e Kambiz Nourbakhsh) e outros três independentes, entre os quais o antigo embaixador americano em Lisboa, Robert Sherman.

Quanto à equipa executiva, vai continuar a ser liderada por António Ramalho. Os restantes membros também vão manter-se, pelo menos, nos próximos meses, mas o ECO sabe que há nomes ainda sob avaliação e é possível que alguns dos que entram agora no Conselho Geral passem para a administração executiva nos próximos meses.

(Notícia atualizada às 17h47)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Venda do Novo Banco assinada hoje às 11h30

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião