Horizonte 2020 ajuda portugueses a scanear o cérebro e fazer luvas com tendões eletrónicos

Ao todo, são já 65 as empresas nacionais que beneficiam dos apoios do Horizonte 2020 a este nível. Nesta fase foram escolhidas 119 PME de 24 países.

Exacto, NeuropsyAI e Nuada são as três PME escolhidas pela Comissão Europeia para obter financiamento do Horizonte 2020. Em causa estão 50 mil euros de apoio para cada uma.

Os últimos resultados do Instrumento PME do Programa de Investigação Horizonte 2020, anunciados esta quinta-feira pela Comissão Europeia, revelam que Portugal volta a estar entre as empresas selecionadas pelo instrumento financeira a cargo do comissário Carlos Moedas. Ao todo são já 65 as empresas nacionais que beneficiam dos apoios do Horizonte 2020 a este nível. Nesta fase foram escolhidas 119 PME de 24 países, que no total receberam 5,9 milhões de euros.

“Este Instrumento de apoio tem-se revelado a melhor porta de entrada para as PME no Programa Horizonte 2020. Desde a sua criação em 2014, já foram financiadas 65 PME portuguesas inovadoras em vários domínios”, sublinhou Carlos Moedas, citado no comunicado da Comissão Europeia. “A fase do estudo de viabilidade que agora financiamos permite aos beneficiários perceber as oportunidades de mercado para os seus produtos inovadores disruptivos e o caminho a seguir. Esta é uma das formas que a UE dispõe para ajudar as PME inovadoras, fundamentais para reforçar e atrair investimento, criar novos postos de trabalho e favorecer o crescimento económico”, acrescentou.

A NeuropsyAI – Serviços e Investigação em Neurociências candidatou-se com um projeto (NeuroPsyCAD) que consiste num serviço online que permite um diagnóstico precoce e preciso de perturbações neuropsiquiátricas. Esta empresa de Braga, que foi selecionada para estar presente no Web Summit, pretende eliminar o caráter subjetivo na identificação das doenças e ajudar a identificá-las na fase inicial. Uma tarefa bastante difícil quando se fala de Alzheimer ou Parkinson.

O NeuroPsyCAD venceu o Prémio PT Inovação, em 2017, usa a Inteligência artificial para scanear o cérebro através, por exemplo, de uma ressonância magnética para reconhecer a ‘assinatura’ das doenças numa nova imagem do cérebro do paciente. Num curto espaço de tempo (horas), a empresa promete fornecer um relatório com a probabilidade de o paciente para cada doença. Esse relatório destina-se a neurologistas, psiquiatras e radiologistas. A empresa também promete uma fiabilidade 54% maior, com um custo cinco inferior face às práticas clínicas atuais.

A outra empresa de Braga, a Nuada, apresentou um projeto que consiste numa luva especial que previne e compensa dificuldades de manipulação de objetos decorrentes de perturbações musculoesqueléticas.

O projeto, que até já mereceu destaque na CNBC, ajuda as pessoas que sofreram algum tipo de ferimento a conseguir agarrar objetos com mais força porque a luva é equipada com tendões eletrónicos. O trabalho tem vindo a ser desenvolvido por uma equipa multidisciplinar e com diversos parceiros que vão da nanotecnologia aos têxteis, passando por médicos e mecânicos.

Outra das empresas escolhidas foi a Exacto, Sociedade de Estudos e Planeamento, uma empresa de Carcavelos, que com o Day-by-day cria uma nova metodologia destinada a produzir previsões de tráfego a curto prazo para concessões rodoviárias. Esta empresa especializada no “desenvolvimento de soluções de acessibilidade e mobilidade eficientes e avançadas que vão ao encontro dos objetivos estratégicos dos seus clientes” nasceu em 1986 é consultora do Banco Europeu de Investimento (BEI) e do Instituto de Mobilidade e Transportes (IMT) além de fornecer consultoria especializada na elaboração de candidaturas a financiamento europeu.

Nesta primeira fase, as empresas apenas podem receber, no limite, até 50 mil euros. O objetivo é que cada PME prepare uma proposta de negócios para uma ideia que tenha potencial disruptivo, estudando a viabilidade do conceito proposto. Além do estímulo financeiro, as empresas também recebem até três dias de aconselhamento personalizado e outros serviços de apoio à gestão e criação de negócios.

Há depois uma segunda fase do Instrumento PME, cada projeto pode receber até 2,5 milhões de euros (cinco milhões para projetos no domínio da saúde) para financiar várias etapas de desenvolvimento dos projetos: a demonstração, o ensaio, a fase-piloto, a fase de expansão e a miniaturização, para além de desenvolver um plano de negócios sólido. Além disso, as empresas terão ainda acesso a 12 dias de formação empresarial.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Horizonte 2020 ajuda portugueses a scanear o cérebro e fazer luvas com tendões eletrónicos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião