Moody’s: EDP pode absorver impacto da descida das tarifas da luz

  • Lusa
  • 19 Outubro 2017

A agência de notação financeira diz que a EDP vai conseguir absorver os impactos do aumento das tarifas da luz e manter as previsões de crescimento.

A Moody’s considera que a descida das tarifas de eletricidade no próximo ano, proposta pelo regulador da energia, vai diminuir o retorno da EDP, mas que o grupo liderado por António Mexia será capaz de absorver o impacto negativo.

Numa nota sobre o impacto para a EDP da proposta da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), de descida em 0,2% das tarifas da luz no próximo ano, o analista da Moody’s Niel Bisset defende que “a proposta de tarifas de eletricidade para 2018 recentemente publicada vai reduzir o retorno da distribuição de energia em mercado regulado“.

“No entanto, a EDP tem flexibilidade para absorver o modesto impacto negativo nos lucros e manter a previsão de crescimento do EBITDA de 3% entre 2016-20, incluindo a orientação de um EBITDA de 3,6 mil milhões de euros em 2017″, afirmou o vice-presidente da agência de notação financeira.

"a EDP tem flexibilidade para absorver o modesto impacto negativo nos lucros e manter a previsão de crescimento do EBITDA de 3% entre 2016-20, incluindo a orientação de um EBITDA de 3,6 mil milhões de euros em 2017″”

Niel Bisset

Analista da Moody's

Na passada sexta-feira, 13 de outubro, a ERSE propôs uma descida de 0,2% das tarifas de eletricidade no mercado regulado para as famílias a partir de 01 de janeiro, a primeira descida desde 2000.

Em comunicado, a ERSE explica que esta proposta resulta da “conjugação de vários fatores com impactos em sentidos opostos”, mas desde logo uma redução em 0,9% das tarifas de acesso às redes e de 10,6% da tarifa do uso de redes.

A proposta tarifária propõe uma diminuição de cerca de 744 milhões de euros à dívida tarifária, valor que é superior à soma das diminuições verificadas em 2016 e 2017, que totalizaram 693 milhões de euros.

“Esta considerável amortização da dívida contribui significativamente para a pressão tarifária, mas a ERSE entende que se justifica pela necessidade de reforçar o percurso já iniciado para o equilíbrio do sistema, garantindo, assim, a sustentabilidade do mesmo”, refere.

Também a evolução dos custos dos combustíveis impediu uma redução superior das tarifas já que houve um “incremento dos custos com os combustíveis fósseis, designadamente do carvão, o que contribui para o aumento dos custos de produção de energia, com reflexo num incremento da tarifa de energia”.

Ao contrário do ocorrido nos três últimos anos, a ERSE optou por não considerar “a reversão para as tarifas de 2018 de parte das verbas do Fundo de Sustentabilidade do Setor Energético, visto as transferências que efetivamente ocorreram até à data serem residuais face aos valores previstos”.

Neste fundo deveria estar uma parte da Contribuição Extraordinária do Setor Energético (CESE), que desde 2014 é cobrada às empresas energéticas.

Por outro lado, a proposta tarifária reflete a melhoria do nível de desempenho das empresas alcançado durante o período que termina em 2017 e a transferência para os consumidores de energia elétrica de parte dos ganhos de eficiência obtidos pelas empresas.

A ERSE refere ainda o contributo de um conjunto de medidas legislativas: a estabilização da produção em regime especial (PER), isto é, subsidiada, na sequência da estagnação da capacidade instalada que aufere de preços garantidos.

“Adicionalmente, o custo por unidade produzida tem vindo a diminuir, particularmente devido à redução do custo da cogeração, em resultado do fim do regime bonificado de alguns cogeradores a fuelóleo e da redução das tarifas desta tecnologia por via legislativa”, acrescenta.

Contribuíram também a diminuição do nível dos custos de interesse económico geral (CIEG) a recuperar pelas tarifas e a introdução de um mecanismo de mercado na atribuição da remuneração da reserva de segurança prestada ao Sistema Elétrico Nacional (SEN) fornecidos pelos produtores de energia elétrica e outros agentes de mercado.

Esta descida das tarifas da eletricidade, proposta pela ERSE, será avaliada pelo Conselho Tarifário, órgão do regulador, e depois o Conselho de Administração da ERSE aprova, até 15 de dezembro, as tarifas para a eletricidade que entram em vigor em 01 de janeiro de 2018.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Moody’s: EDP pode absorver impacto da descida das tarifas da luz

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião