Passos Coelho diz que substituição da ministra não é suficiente

O ex-líder do PSD disse esta tarde que Governo também é responsável pelos fogos deste fim de semana e que a substituição da Ministra da Administração Interna não é suficiente para resolver o problema.

Pedro Passos Coelho falou na tarde desta sexta-feira aos jornalistas, sublinhando que o Governo também é responsável pelos incêndios que devastaram o país este fim de semana, e que “já desperdiçou oportunidades a mais para inspirar confiança“. Acrescentou ainda que a substituição da ministra da Administração Interna não é suficiente.

O ex-líder do PSD destacou que os incêndios do fim de semana passado não se deveram só às condições adversas, mas também ao Governo. “A responsabilidade sobre o que se passou também cabe muito ao Governo, não só às condições adversas”, disse Passos Coelho. Acrescentou ainda que “a falha na resposta adequada falhou clamorosamente de um ano para o outro” e que essa resposta “não fica satisfeita apenas porque a senhora ministra vai mudar“.

Destacou ainda que é importante “reestruturar a Proteção Civil” e haver um “concurso transparente, público e nacional”, de forma a fazer uma seleção transparente dos dirigentes da Autoridade Nacional de Proteção Civil. “A Proteção Civil existe para responder às necessidades das pessoas e não dos Governos”, disse.

Passos Coelho referiu ainda que o principal problema “não é o da ajuda imediata, mas sim as dificuldades que se vão sentir nos próximos anos”, chamando a atenção para a necessidade de haver uma intervenção urgente por parte das instituições, sempre em cooperação com as autarquias. Relativamente à criação de uma Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais, o social-democrata disse que o PSD não vê nada de negativo nessa possibilidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos Coelho diz que substituição da ministra não é suficiente

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião