Anacom propõe corte nos preços da Fibroglobal e envia “informações” à Autoridade da Concorrência

É um temas quentes no setor das telecom em Portugal. A Anacom propôs cortes nos preços pedidos pela Fibroglobal, que detém rede de fibra usada pela Meo. Deixa a porta entreaberta à Nos e Vodafone.

A Nos e a Vodafone podem estar mais perto de aceder à rede de fibra ótica da Fibroglobal, empresa que detém uma rede rural de fibra ótica, construída em parte com recurso a cerca de 40 milhões de euros de dinheiros públicos. A Anacom propôs ao Governo uma redução entre 24% e 55% dos preços das ofertas grossistas a esta empresa, da qual a Meo é a única cliente — e acionista, com cerca de 5%. A avançar, poderá viabilizar o acesso da Nos e da Vodafone aos serviços da Fibroglobal, que se queixam de não conseguir rentabilizar um eventual investimento.

A polémica em torno desta empresa arrasta-se há algum tempo. As operadoras concorrentes da Meo têm vindo a queixar-se dos preços pedidos pela Fibroglobal e levantam suspeitas pelo facto de, na administração daquela empresa, estar pelo menos um administrador da Meo, entre outras questões. É, aliás, um dos temas quentes do setor das telecomunicações em Portugal, a par da venda da Media Capital à Altice, dona da Meo.

Esta segunda-feira, a Anacom anunciou que analisou os preços praticados pela Fibrogobal na zona centro do país e nos Açores, concluindo que os mesmos “são substancialmente superiores”, comparativamente com outras empresas do género, como a DSTelecom, da qual as três operadoras são clientes. A DSTelecom “explora a rede de alta velocidade rural na zona norte do país, Alentejo e Algarve”, recorda a entidade liderada por João Cadete de Matos.

“Esse facto motivou queixas da Nos e da Vodafone junto da Anacom, que consideram que a oferta da Fibroglobal não lhes permite oferecer, com rentabilidade positiva, serviços triple-play [pacotes com três serviços] no mercado de retalho, nomeadamente no segmento residencial”, aponta a Anacom.

E acrescenta: “A Anacom propôs ao Governo que peça informação para que se possa avaliar a situação. Caso se verifiquem situações de sobrefinanciamento, haverá ligar ao acionamento do mecanismo de reembolso.” Se o Governo aceitar a redução, a porta de entrada da Nos e da Vodafone à rede da Fibroglobal poderá finalmente abrir-se.

Além da redução de preços proposta ao Governo de António Costa, a Anacom remeteu à Autoridade da Concorrência (AdC) “um conjunto de informações e questões” que “tomou conhecimento” sobre a Fibroglobal, “no âmbito do dever de participação de factos suscetíveis de serem qualificados como práticas restritivas da concorrência”. Questionada pelo ECO sobre a natureza dessas informações, e se vai ser aberto algum processo, a AdC limitou-se a “confirmar que recebeu as informações sobre a empresa Fibroglobal remetidas pela Anacom, que serão devidamente analisadas na perspetiva de eventuais infrações à Lei da Concorrência”.

(Notícia atualizada às 18h41 com resposta da AdC)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Anacom propõe corte nos preços da Fibroglobal e envia “informações” à Autoridade da Concorrência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião