Paddy Cosgrave: “Não queremos lugares vagos”

Web Summit aumentou de 6.000 para 10.000 o número de bilhetes para jovens com menos de 23 anos, alargando o programa Inspire.

Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit.Paula Nunes/ECO

Paddy Cosgrave foi claro: não quer lugares vazios no Web Summit. Por isso, depois de o Governo ter aumentado de 67 para 150 o número de startups portuguesas a participar no Road 2 Web Summit — com entradas a preço especial — Paddy voltou a Lisboa para anunciar que vai alargar o programa Inspire — bilhetes a preço simbólico de 7,50 euros para jovens entre os 16 e os 23 anos — de 6.000 para 10.000 participantes.

“Não queremos lugares vagos. Sabemos que isso não é bom”, disse o CEO do Web Summit.

“Cresci numa quinta e, para quem como eu fez isso, acho que a palavra empreendedor não existia. As aspirações eram ir para a faculdade, arranjar um emprego estável e trabalhar por conta de outra pessoa. O programa Inspire serve para dar uma ideia da quantidade de inspiração. É muito importante que, para estes jovens que não têm a hipótese de ir ao Web Summit, possam ter uma pequena amostra do que podem encontrar, pessoas que fazem coisas incríveis no mundo inteiro“, explicou Paddy Cosgrave, CEO do Web Summit, esta tarde no Ministério da Economia, em Lisboa.

Paddy Cosgrave já está em Lisboa, numa altura em que faltam duas semanas para o maior evento de tecnologia e empreendedorismo do mundo. No Ministério da Economia, esta tarde, Paddy e Caldeira Cabral anunciaram o alargamento do programa Inspire, para 10.000 jovens sub-23 anos. O evento decorre entre 6 e 9 de novembro, no Altice Arena e na FIL, na capital portuguesa.

Sobre a continuação do evento mundial na capital portuguesa depois do contratado com o Governo — novembro de 2019 — Paddy Cosgrave disse que “gostava de ficar aqui mais e mais anos” mas, no final, tudo dependerá da capacidade do espaço escolhido. “Era uma conferência de tecnologia mas agora é muito mais do que isso”, disse, sublinhando que a lista de participantes integrará sempre mais de 60.000 pessoas de mais de uma centena de países do mundo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paddy Cosgrave: “Não queremos lugares vagos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião