Revitalização do Pinhal Interior vai a Conselho de Ministros em breve

  • Lusa
  • 30 Outubro 2017

António Costa defendeu que é preciso reconstruir, "mas reconstruir melhor e reconstruir diferente". Primeiro-Ministro diz que este projeto é decisivo para o futuro do território.

O Programa de Revitalização do Pinhal Interior vai ser aprovado num dos próximos Conselhos de Ministros, disse, este domingo, o líder do executivo, António Costa, considerando o documento “decisivo” para o território.

O período de discussão pública do Programa de Revitalização do Pinhal Interior (zona afetada pelos grandes incêndios de Góis e Pedrógão Grande) terminou há cerca de uma semana e a Unidade de Missão para a Valorização do Interior já acabou a avaliação dos contributos, revelou o primeiro-ministro, que discursava na Câmara da Pampilhosa da Serra, no distrito de Coimbra.

“Num dos próximos Conselhos de Ministros iremos aprovar este projeto piloto. E este projeto piloto é decisivo para o futuro deste território. É decisivo para estes concelhos [abrangidos pelo programa], mas também é decisivo para inspirar o resto de todas as regiões do interior do país”, sublinhou António Costa.

Para o líder do executivo, o programa representa uma “oportunidade de desenvolvimento única” que tem de ser potenciada.

António Costa destacou a proximidade da região ao centro do mercado ibérico, os seus recursos endógenos e o vasto património natural.

Na sua intervenção, o primeiro-ministro defendeu ainda que é preciso reconstruir, “mas reconstruir melhor e reconstruir diferente”.

António Costa considerou também que é fundamental que daqui a 12 anos o território não esteja a enfrentar “as mesmas realidades” que hoje enfrenta e que enfrentou há 12 anos, nos grandes incêndios de 2005.

De acordo com o líder do executivo, há que fazer a “revitalização de todo este território e fazer com que a esperança não seja apenas uma palavra que se acarinha, mas que se traduza em factos e em realidades”.

O programa de revitalização abrange sete municípios: Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Góis, Pampilhosa da Serra, Pedrógão Grande, Penela e Sertã.

Os sete concelhos foram afetados pelos incêndios de Pedrógão Grande e Góis, em junho deste ano, que provocou, segundo a contabilização oficial, 64 mortos e mais de 250 feridos. Registou-se ainda a morte de uma mulher que foi atropelada quando fugia deste fogo.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Revitalização do Pinhal Interior vai a Conselho de Ministros em breve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião