Rússia criou 80 mil anúncios no Facebook para influenciar eleições norte-americanas

Facebook, Google e Twitter confirmam a existência de contas russas falsas para influenciar as eleições norte-americanas de 2016. Governo russo já negou qualquer envolvimento no caso.

O Facebook anunciou que várias contas russas publicaram cerca de 80 mil anúncios na sua rede social num espaço de dois anos, alcançando cerca de 126 milhões de norte-americanos. O conteúdo estava relacionado com as eleições presidenciais e pretendia influenciar as intenções de voto.

Não passou muito tempo depois de terem surgido rumores de que a Rússia teria criado contas falsas em várias redes sociais para criar anúncios que conseguissem influenciar as eleições norte-americanas que elegeram Donald Trump como presidente. O Facebook, a Google e o Twitter vieram confirmar esses rumores, adiantando alguns dados iniciais.

Na altura, o Facebook — que foi o mais usado para estes atos ilegais, adiantou que encontrou cerca de três mil anúncios ligados a uma troll farm russa (empresas onde os funcionários têm as funções de criar conflitos e desordens nas redes sociais), alguns deles alusivos a Donald Trump, Bernie Sanders e Jill Stein, e outros promoviam o sentimento anti-emigração e o racismo. No total, foram investidos cerca de 100 mil dólares (85 mil euros) nessa publicidade.

No entanto, esta terça-feira, a empresa de Mark Zuckerberg avançou com dados mais recentes, adiantando que esses anúncios provavelmente alcançaram cerca de metade da população norte-americana com idade para votar — 126 milhões de cidadãos, com um total de 80 mil posts. Dados que excedem, e muito, as informações divulgadas anteriormente pelo Facebook. Esses posts foram publicados entre junho de 2015 e agosto de 2017 e a maioria continha mensagens sociais e políticas que tentavam fomentar uma divisão na comunidade norte-americana.

"Essas ações são contrárias à missão do Facebook de construir comunidades e tudo o que defendemos. Estamos determinados a fazer tudo o que pudermos para enfrentar essa nova ameaça.”

Colin Stretch

Vice-presidente do Facebook

O Twitter encontrou quase três mil contas ligadas a operários russos, segundo informações avançadas por fontes próximas da empresa. Um valor que superou as 201 contas que o Twitter disse ter encerrado em setembro, bem como 1,4 milhões de mensagens relativas às eleições de 2016. Por sua vez, a Google anunciou esta segunda-feira em comunicado que encontrou 4.700 dólares (4.042 euros) gastos em anúncios pagos, ligados à Rússia durante as eleições de 2016.

O Governo russo já negou qualquer tentativa de influência nas eleições dos Estados Unidos, onde Donald Trump derrotou a candidata democrata Hillary Clinton.

Advogados das três empresas vão reunir-se esta semana no Congresso norte-americano, para tentar travar e debater essas tentativas de influências russas nas eleições de 2016.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rússia criou 80 mil anúncios no Facebook para influenciar eleições norte-americanas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião