Facebook separa posts de amigos e páginas em dois feeds

O Facebook separou as publicações de páginas dos conteúdos partilhados dos amigos. A alteração está ativa em seis países e está a deixar os criadores de conteúdo numa pilha de nervos.

O Facebook está a testar uma alteração que não está a agradar aos criadores de conteúdo.Maurizio Pesce/Flickr

O Facebook está a testar uma alteração profunda ao funcionamento do feed de notícias que está a deixar os criadores de conteúdo de cabelos em pé. Em seis países, a rede social decidiu retirar todas as publicações de páginas do feed principal, passando-as para um novo feed secundário, exclusivo para este tipo de conteúdo, a que chamou de “Explorar”. Só as publicações pagas têm acesso ao feed principal.

O objetivo passará por perceber se os utilizadores preferem ter estes conteúdos num espaço separado das publicações de amigos e família, ou se os preferem juntos, como acontece nos dias de hoje. No entanto, uma mudança desta natureza ameaça a atividade dos criadores de conteúdo e já existem queixas de que o alcance das publicações terá caído dois terços e que os posts das páginas estarão a receber quatro vezes menos interações.

O alcance no Facebook mede o número de pessoas que veem uma determinada publicação. As interações são os cliques nos artigos, “gostos” outras reações dadas ao post ou comentários, por exemplo. Figuras públicas, páginas na internet e empresas de comunicação social apostam nesta rede social como principal forma de distribuição de conteúdo.

A medida ameaça ainda o modelo de negócio no qual assenta a esmagadora maioria dos jornais atualmente. Sem uma eficaz distribuição do conteúdo, os jornais poderão sofrer quedas nas visitas e, consequentemente, nas receitas. O setor dos media foi dos que mais cedo sofreram as consequências da transformação digital e muitas empresas foram obrigadas a procurar novas formas de gerar receitas.

De acordo com a Business Insider, esta alteração está ativa, para já, apenas nos seguintes países: Sri Lanka, Bolívia, Eslováquia, Sérvia, Guatemala e Camboja. Além disso, e face à onda de preocupações que se gerou após a confirmação desta separação de conteúdos, Adam Mosseri, responsável máximo pelo feed de notícias no Facebook, garantiu ao The Guardian não ter, “atualmente”, planos para avançar com estas mudanças ao nível global.

De qualquer forma, o feed de notícias “Explorar” já está disponível em Portugal para alguns utilizadores e é ilustrado com o ícone de um “foguetão”. Exibe as publicações mais populares das páginas, com base num algoritmo que faz curadoria consoante os gostos de cada pessoa. Neste feed, entram mesmo conteúdos publicados por páginas que o utilizador não segue.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook separa posts de amigos e páginas em dois feeds

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião