Costa arranca debate do OE2018 repetindo cinco vezes que este é um orçamento de “futuro”

  • Margarida Peixoto
  • 2 Novembro 2017

Na abertura do debate de generalidade do OE2018, Costa primeiro usou todos os trunfos dos resultados económicos. Mas depois repetiu cinco vezes que o orçamento é de "futuro" e explicou porquê.

António Costa, na chegada ao Parlamento para o debate de generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2018.

“Este é um Orçamento de continuidade e de futuro”, defendeu António Costa esta quinta-feira, no arranque de uma maratona de debate parlamentar de 686 horas, que culminará com a votação na generalidade do Orçamento do Estado para 2018. Depois de o ainda líder do PSD, Pedro Passos Coelho, ter anunciado o chumbo ao documento por este não acautelar o “futuro”, Costa fez questão de afirmar cinco vezes que é para o futuro que o Governo está a olhar.

Depois de apresentar, um por um, os trunfos que já reuniu ao longo do mandato — a recuperação da confiança dos consumidores, o aumento do investimento, a recuperação do emprego, o crescimento do PIB, as metas orçamentais, a redução da dívida — Costa estruturou a apresentação das principais medidas do OE2018 de forma a evidenciar como o Executivo quer acautelar o futuro em diversas áreas. Nos últimos dias, a questão de saber em que medida o OE2018 prepara o futuro tem sido uma das principais linhas de argumentação da oposição de direita, que acusa o Governo de desaproveitar a oportunidade que a economia está a dar para preparar o país para os ciclos menos positivos.

Primeiro, recordou todas as grandes alterações propostas, desde o alívio no IRS ao aumento de pensões, passando pelo reforço da proteção social e pelo combate à precariedade no Estado, bem como pelas medidas fiscais de apoio à tesouraria, capitalização e reestruturação das empresas.

Mas depois repetiu: “Se este é um orçamento que continua e aprofunda as boas políticas que recolocaram Portugal na rota da convergência, é também um orçamento virado para o futuro.”

E passou a explicar. Primeiro, porque “aposta na sustentabilidade das finanças públicas” e reforça a sustentabilidade da Segurança Social. “Segundo, este orçamento é um orçamento para o futuro porque investe na inovação como motor do desenvolvimento”, continuou. “Terceiro, este é um orçamento virado para o futuro porque coloca as novas gerações no centro das políticas públicas”, completou, lembrando, entre outras medidas, o aumento do abono de família e o reforço da rede pré-escolar.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa arranca debate do OE2018 repetindo cinco vezes que este é um orçamento de “futuro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião