Montepio vendeu 581 milhões em crédito malparado

  • Ana Batalha Oliveira
  • 6 Novembro 2017

O banco Montepio anunciou, em comunicado à CMVM, que vendeu uma carteira de crédito malparado avaliada em 581 milhões de euros. A titularização da operação foi feita pelo JP Morgan.

O banco Montepio colocou à venda, em condições que diz terem sido “competitivas”, uma carteira de crédito malparado. O valor da carteira, avançado em comunicado à CMVM, é de 580.574.172 euros. O JP Morgan assegurou a operação através de um mandato exclusivo de aconselhamento e distribuição. A Moody’s e a DBRS foram as agências de rating que avaliaram a titularização e as respetivas notações de risco. O número de investidores atraídos ultrapassou os 50, uma adesão “sem precedentes”, segundo a informação dirigida pelo Montepio às redações.

De acordo com a mesma nota, da transação denominada Evora Finance NPL resultou a alienação de 20.169 contratos com um valor médio por contrato de 28.786 euros. As agências de rating consultadas concederam a categoria de nível de investimento (‘investment grade) à tranche sénior.

Segundo uma nota da Moody’s, o que poderia levar a futuras subidas do rating destes créditos seriam cash flows “significativamente mais altos” e chegados mais cedo do que o esperado. O cenário inverso, de baixar a avaliação na sequência de menor afluência de cash flows ou prazos distendidos, pode ser influenciado caso o clima económico se altere ou os tribunais demorem a dar seguimento aos processos.

Esta solução para o malparado insere-se no Plano Estratégico de 2016-2018, através do qual o banco pretende reduzir os ativos não estratégicos. O previsto em relação à venda de crédito NPL (Non Performance Loans), o dito crédito malparado, era a alienação de um pacote de mil milhões de euros, em parceria com a JP Morgan.

Já no mês passado o banco conseguiu uma colocação de 750 milhões em obrigações hipotecárias no mercado internacional. As propostas de mais de 140 investidores, que totalizaram 3 mil milhões de euros, permitiram ao Montepio fixar os seus custos de financiamento em 0,875% por ano ao longo dos 5 anos da transação, garante o banco.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio vendeu 581 milhões em crédito malparado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião