Governo admite alargar CSI a outros pensionistas com longas carreiras

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 9 Novembro 2017

O BE voltou a defender que é preciso compensar aqueles que passaram à reforma antecipada na legislatura de Passos com cortes agravados. Vieira da Silva admite alargar CSI em casos concretos.

O ministro do Trabalho e da Segurança Social admitiu esta quinta-feira alargar o Complemento Solidário para Idosos (CSI) a grupos específicos de pensionistas que ainda não têm idade para aceder ao apoio mas que contam com longas carreiras contributivas. Esta foi a resposta de Vieira da Silva ao Bloco de Esquerda, que voltou a insistir numa solução para compensar todos aqueles que pediram reforma antecipada no período de governação de Passos Coelho e que contaram com cortes significativos.

“O OE dá já um passo importante no sentido de alargar o Complemento Solidário para os pensionistas de invalidez, mesmo que não tenham a idade legal de reforma”, adiantou Vieira da Silva, acrescentando: “Julgo que existe espaço para discutirmos se outros pensionistas com carreiras contributivas sólidas e longas não deverão ter uma opção semelhante”.

O CSI é um apoio atribuído a partir da idade legal de reforma (66 anos e três meses em 2018, aumentando um mês em 2019) a pensionistas com reformas de valor reduzido. Vieira da Silva notou hoje que o Orçamento do Estado já admite alargar o critério de idade quando estão em causa pensionistas de invalidez, e admite agora ir mais longe.

Na audição, o deputado bloquista José Soeiro voltou a defender que é preciso compensar os pensionistas que passaram à reforma na legislatura anterior, com cortes significativos, apontando para pessoas com 30 ou mais anos de descontos que sofreram cortes que chegaram a 70% e que acabaram com uma prestação de pouco mais de 200 euros. Ainda assim, estas pessoas não podem aceder ao CSI porque ainda não preenchem o requisito de idade exigido, adiantou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo admite alargar CSI a outros pensionistas com longas carreiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião