CTT voltam a afundar. Ações já perdem metade do valor este ano

Os CTT continuam numa espiral vendedora na bolsa. As ações dos correios voltaram esta quinta-feira às quedas acentuadas e desde o início do ano já perdem metade do seu valor.

Os CTT continuam numa espiral vendedora na bolsa. As ações dos correios voltaram esta quinta-feira às quedas acentuadas e desde o início do ano já perdem metade do seu valor. Em vez dos 6,445 euros com que entraram em 2017, cada título fechou a sessão de hoje a valer apenas 3,26 euros.

Com uma queda de 4,63%, os CTT desempenharam o papel principal na evolução negativa do PSI-20. O principal índice português encerrou em baixa de 0,15% para 5.321,82 pontos, num dia de fortes perdas para os mercados europeus e americanos.

Para a cotada liderada por Francisco Lacerda, o tombo observado hoje não é novidade. Desde que cortou o dividendo em 20%, no dia 31 de outubro, na sequência dos maus resultados apresentados nos primeiros nove meses do ano, as ações dos CTT acumulam uma perda superior a 35%. Desde o início do ano, a queda é ainda mais acentuada: 49,5%. Ou seja, em 11 meses, os CTT emagreceram 480 milhões de euros na bolsa, passando de um market cap de 966 milhões de euros para 488 milhões de euros.

No total, foram 15 as cotadas nacionais que fecharam abaixo da linha de água, com destaque para os pesos pesados EDP e EDP Renováveis, que caíram 1,06% e 0,91%, respetivamente. Também a Pharol e a Ibersol cederam perto de 4%.

Do lado positivo, salvou-se a Nos: as ações ganharam 4,58% para 5,22 euros, depois de a operadora liderada por Miguel Almeida ter apresentado lucros de 33,6 milhões de euros no terceiro trimestre, mais 22% face ao mesmo período do ano passado. E a Galp ganhou 2,12%.

CTT voltaram a perder em força

“O PSI-20 conseguiu mitigar o impacto negativo da fraqueza que marcou as demais bolsas europeias. Para tal contribuíram as ações da Nos e da Galp”, referiram os analistas do BPI no seu Diário de Bolsa. “Os resultados da NOS foram bem acolhidos pelo mercado, tendo a ação liderado as subidas do índice (…) A Galp beneficiou do resultado da emissão de 500 milhões de euros de dívida. Esta operação atraiu um forte interesse comprado”, explicaram ainda.

Lá por fora, a bolsa de Frankfurt liderou as perdas ao cair 1,5%. Paris cedeu mais de 1%.

(Notícia atualizada às 17h03)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT voltam a afundar. Ações já perdem metade do valor este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião