Governo pergunta aos parceiros se admitem mexer na TSU

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 10 Novembro 2017

Concertação social discute segmentação do mercado de trabalho. Documento distribuído aos parceiros deixa várias questões. Mexidas na TSU ou limitações a contratos a prazo são colocadas à consideração.

Os parceiros sociais discutem esta sexta-feira a segmentação do mercado do trabalho e a precarização das relações laborais. O Governo diz que é preciso atuar e por isso elencou um conjunto de questões que entende que merecem reflexão. Admitem os parceiros mexer na TSU dos contratos permanentes e a prazo? Consideram vantajoso limitar os fundamentos da contratação a termo? E reduzir a duração máxima deste tipo de vínculos? Estas são algumas das questões levadas a debate.

Estas hipóteses já tinham sido levantadas pelo Executivo. O relatório do Orçamento do Estado para 2018 volta a apontar para a limitação dos contratos a prazo, e admite retirar da lei a norma que prevê que os jovens à procura de primeiro emprego ou desempregados de longa duração possam, só por isso, ser recrutados a prazo. O ministro Vieira da Silva também já tinha admitido reduzir a duração dos contratos a prazo.

A diferenciação da TSU consoante o tipo de contrato também tem ganho espaço no debate público. O Código Contributivo já prevê um aumento, em três pontos percentuais, da taxa contributiva a cargo do empregador quando estão em causa contratos a prazo (excluindo situações específicas) e, em contrapartida, também define uma descida dos descontos, em um ponto, no caso de contratos permanentes. Mas a medida está por regulamentar e nunca chegou a terreno. Entretanto, o Bloco de Esquerda já avisou que quer avançar com uma proposta mas apenas para aumentar os descontos sobre contratos a prazo. Mas Vieira da Silva disse não ver muitas condições para esse tipo de medidas nesta fase.

Estas são as questões que o Executivo quer lançar para o debate sobre a segmentação:

  • Concordam os parceiros que devem ser desencadeados esforços para reduzir a segmentação do mercado de trabalho, nomeadamente o peso das formas precárias ou atípicas de emprego na economia portuguesa?
  • Admitem que esse esforço possa integrar a concretização legislativa de uma alteração na taxa contributiva dos contratos sem termo e a termo?
  • Consideram vantajosa uma alteração legislativa que envolva a limitação dos fundamentos para a contratação a termo?
  • Consideram positiva a redução da duração máxima legal da contratação a termo?
  • Consideram útil a introdução de uma diferenciação setorial em matéria de condições para a contratação a termo?
  • Consideram benéfica a alteração do regime legal do trabalho temporário, de forma a alterar a regra que permite a renovação ilimitada dos contratos de trabalho temporário?
  • Que papel deve ser dado à negociação coletiva neste esforço?
  • Identificam os parceiros outros pontos suscetíveis de ser equacionados nesta discussão?

43,5 mil potenciais falsos recibos verdes em 2016

No documento distribuído aos parceiros, a que o ECO teve acesso, o Governo explica que as “formas não permanentes de contratação” são “diversas” mas os contratos a prazo predominam. Porém, ainda há a considerar que 2,8% do emprego por conta de outrem no setor privado em 2015 correspondia a trabalho temporário.

Além disso, existiam ainda 43,5 mil trabalhadores independentes considerados economicamente dependentes, o que corresponde a cerca de 14% dos trabalhadores independentes, diz o Governo. Dados do Livro Verde das Relações Laborais indicavam que em 2015 existiam 41.399 “recibos verdes” nessa situação.

Estes são os trabalhadores independentes que recebem grande parte dos seus rendimentos (80%) de uma única entidade empresarial, o que pode sinalizar a existência de um falso recibo verde. O código contributivo diz que as empresas nesta situação devem pagar uma taxa de 5% e, ao mesmo tempo, podem vir a ser sujeitas a fiscalização.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo pergunta aos parceiros se admitem mexer na TSU

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião