Fontes do Parque das Nações, Belém e Alameda desativadas por causa da seca

  • Lusa
  • 15 Novembro 2017

A Câmara de Lisboa vai desligar fontes ornamentais e reduzir rega para combater seca, apesar de não ser um dos município afetado pelos efeitos da seca no país.

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou esta quarta-feira que vai desligar provisoriamente as fontes ornamentais da cidade que usem água da rede e reduzir a rega nos espaços verdes como medidas de combate aos efeitos da seca.

O anúncio foi feito ao final da manhã, pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), que ressalvou que a capital “não é diretamente afetada pela seca”, mas que pretende passar um sinal de responsabilidade ambiental. “Lisboa não é diretamente afetada, mas entende como maior consumidor da maior cidade do país, que é da sua responsabilidade promover soluções ambientalmente sustentáveis em todas as suas áreas de atuação”, justificou o autarca.

Nesse sentido, Fernando Medina referiu que a autarquia lisboeta irá tomar medidas provisórias e imediatas, nomeadamente a interrupção do funcionamento de algumas fontes ornamentais, como a da Praça do Império (Belém), a da Alameda e a cascata do Parque das Nações. “Serão desligadas todas as que não usem apenas água circulável”, apontou.

Outra das medidas da autarquia será a interrupção da rega em espaços verdes junto a grandes vias, como a 2ª circular e a Avenida Lusíada e a redução da rega em espaços verdes sob gestão da Câmara Municipal de Lisboa “ao limite de sobrevivência”. A medida de combate aos efeitos prolongados da seca prevê ainda a racionalização da água nos cemitérios.

“A reserva de água que serve Lisboa serve também outros pontos do país. Estamos comprometidos em fazer a nossa parte e gerir os recursos com mais responsabilidade e eficiência”, concluiu. Esta decisão de Fernando Medina ocorre na sequência da situação de seca que o país está a atravessar e que já levou o Governo a lançar uma campanha de sensibilização para o consumo de água, aconselhando os cidadãos a pouparem um recurso que é escasso.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fontes do Parque das Nações, Belém e Alameda desativadas por causa da seca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião