EDP já tem centrais paradas por causa da seca

Há duas centrais hidroelétricas da EDP paradas por causa da seca. Mais quatro estão sob "gestão prudente". Níveis de água das albufeiras estão perigosamente baixos e o consumo humano é a prioridade.

Portugal tem todo o território em seca extrema e o Governo já faz campanhas de apelo à poupança de água dirigidas aos cidadãos. A produção hídrica da EDP sofreu uma quebra de 40% face ao ano passado, mas este valor vai aumentar porque a elétrica nacional tem seis albufeiras sob gestão “prudente”, sendo que duas delas estão mesmo paradas, por causa da seca, avançou ao ECO fonte oficial da EDP.

A central de Vila-Tabuaço, no rio Távora, e a central de Santa Luzia pararam a produção de eletricidade, porque a água existente nas respetivas albufeiras se destina agora apenas ao consumo público, porque as regras definidas nos contratos de concessão determinam que “o consumo humano é sempre considerado prioritário”.

“Dado o reduzido armazenamento e a existência de uma captação de água para consumo humano, a EDP decidiu deixar de explorar esta albufeira enquanto se mantiverem as atuais condições”, disse fonte oficial da EDP ao ECO.Wikimedia Commons

A gestão das albufeiras da EDP é feita em articulação com a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e rege-se pelos contratos de concessão. “Os limites (máximos e mínimos) de exploração das diversas albufeiras, bem como eventuais condicionantes, são definidos nos contratos de concessão. Na exploração das suas albufeiras, a EDP considera todas estas limitações contratuais, bem como eventuais pedidos e/ou necessidades de outras partes interessadas, como, por exemplo, Câmaras Municipais, empresas de abastecimento de água e Proteção Civil“, explicou ao ECO, fonte oficial da empresa. “Todas estas decisões são tomadas em articulação permanente com a APA, que recebe informação das albufeiras da EDP em tempo real“, acrescenta a mesma fonte.

A situação particular de seca que o país tem atravessado obrigaram a EDP a começar mais cedo, “ainda no final da primavera”, uma “gestão mais prudente das albufeiras, limitando a sua exploração de modo a manter reservas de água para outros usos”. Para a elétrica liderada por António Mexia, este tipo de gestão no período do verão é normal para acautelar o consumo humano e o regadio, mas a maior seca que o país vive nos 100 anos obriga a medidas adicionais.

Assim, além das duas centrais que já pararam a produção, a EDP foi obrigada a condicionar a produção em Guilhofrei, Carrapatelo, Aguieira/Raiva e Belver. No caso da barragem do Carrapatelo “a EDP acedeu a um pedido da Águas do Norte para manter a cota da albufeira acima do que seria normal”, para permitir que esta empresa de abastecimento “efetue uma captação na capacidade máxima e consiga abastecer a Régua”, avançou fonte oficial. Por outro lado, na Aguieira não só é necessário preservar as reservas necessárias para o consumo humano, mas também acautelar as necessidades do regadio no Baixo Mondego. Finalmente, em Belver, “foi acordado com a APA um modelo de exploração, implementado desde junho, com o objetivo de minimizar a situação de baixos caudais no rio Tejo e de permitir satisfazer as necessidades de regadio”, acrescentou a mesma fonte.

De acordo com os dados do Boletim de Armazenamento nas Albufeiras de Portugal Continental do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos (SNIRH) quase metade das 60 albufeiras do país têm disponibilidades hídricas inferiores a 40% do volume total e existe uma descida da água armazenada em dez bacias hidrográficas. Resultados do longo período de seca e do facto de o mês de outubro ser o mais seco dos últimos 20 anos e 75,2% do território estar em seca extrema (quase 25% está em seca severa).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP já tem centrais paradas por causa da seca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião