Parlamento Europeu aprova João Figueiredo no Tribunal de Contas Europeu

  • Lusa
  • 15 Novembro 2017

Os membros do TCE são propostos por cada Estado-membro e nomeados pelo Conselho após consulta ao Parlamento Europeu (PE).

O Parlamento Europeu (PE) aprovou esta quarta-feira a nomeação como membro do Tribunal de Contas Europeu (TCE) de João Figueiredo, que está há um ano a substituir Vítor Caldeira, que trocou a presidência daquela instituição pela da homóloga portuguesa. João Figueiredo foi indicado por Lisboa para um mandato de seis anos e entrou em funções já em outubro de 2016, em substituição de Vítor Caldeira no TCE, após este ter sido nomeado para presidente do Tribunal de Contas em Portugal.

João Figueiredo iniciou o seu mandato no TCE em 01 de outubro de 2016, afeto à Câmara I (Utilização Sustentável de Recursos Naturais). Entre os cargos ocupados em Portugal, encontram-se os de juiz do Tribunal de Contas (2008-2016), secretário de Estado da Administração Pública (2005-2008), diretor-geral dos Serviços Prisionais (2001-2002), presidente do Instituto de Reinserção Social (1999-2001), chefe de gabinete do ministro da Justiça (1995-1999) e chefe de gabinete do secretário de Estado adjunto do ministro da Justiça (1991-1995).

O PE deu parecer favorável à proposta de nomeação de João Figueiredo por 572 votos a favor, 57 contra e 52 abstenções. Os eurodeputados aprovaram ainda a nomeação de outros cinco candidatos: Pietro Russo (Itália), Hannu Takkula (Finlândia), Baudilio Tomé Muguruza (Espanha), Bettina Jakobsen (Dinamarca) e Iliana Ivanova (Bulgária), sendo todos, exceto o finlandês, já membros do TCE e concorrem a um novo mandato.

O PE deu um parecer negativo à nomeação do candidato da Bélgica, Karel Pinxten, que concorria a um terceiro mandato, em consonância com uma resolução, aprovada em 2014, que prevê apenas o exercício de dois mandatos no TCE.

Durante a audição de Pinxten na comissão parlamentar do Controlo Orçamental, alguns eurodeputados notaram também que está a decorrer uma investigação de caráter administrativo ao candidato belga.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu aprova João Figueiredo no Tribunal de Contas Europeu

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião