Portuguesa Raize prepara entrada na bolsa de Lisboa em 2018

Fintech nacional que gere a maior bolsa nacional de empréstimos a PME quer colocar ações em bolsa já em 2018.

A Raize, a maior bolsa nacional de empréstimos a PME, vai colocar ações em bolsa já em 2018. A novidade foi anunciada pelos fundadores da fintech portuguesa em comunicado. Neste sentido, a empresa já iniciou contactos junto da Euronext Lisbon para realizar uma oferta de um valor que ficará abaixo da fasquia dos cinco milhões de euros.

Com um crescimento de 150% em 2017 face ao ano anterior, a plataforma agrega mais de 14.000 investidores que foram responsáveis por mais de 500 operações de mercado. No total, e de acordo com os dados da empresa, estes investidores financiaram mais de dez milhões de euros que serviram para ajudar empresas a investir e reforçar a sua tesouraria.

"O crescimento é para manter. Somos hoje um dos financiadores de referência das micro empresas em Portugal e uma das melhores alternativas de investimento para particulares. Vamos continuar a inovar no mercado, a lançar novos serviços o que nos vai ajudar a manter este ritmo de crescimento e ganhar ainda mais quota de mercado.”

José Maria Rego

Cofundador da Raize

“A Raize está totalmente preparada para este novo desafio, tanto ao nível do modelo de negócio como da capacidade de cumprimento de todos os requisitos. Em termos regulatórios, a Raize opera uma instituição de pagamentos que é supervisionada pelo Banco de Portugal. Com a entrada em Bolsa, a empresa estaria também sujeita à supervisão da CMVM”, explica José Maria Rego, fundador da empresa.

Como será o processo?

A entrada da Raize em bolsa deverá ser feita num dos mercados da Euronext Lisbon, “Euronext Access” ou “Euronext Growth” e a oferta de ações será feita a investidores de retalho e institucionais. “A oferta não carece de aprovação de prospeto por parte da CMVM, na vez que o valor da oferta será inferior a cinco milhões de euros”, explica a empresa em comunicado.

“Esta é uma excelente oportunidade para reativarmos o mercado de IPO’s em Portugal. Porque não há nenhuma razão para não haver mais empresas cotadas em bolsa. É preciso dinamizar novamente este mercado”, defende Afonso Eça, cofundador da empresa.

A economia portuguesa só tem a ganhar, um mercado de capitais forte e dinâmico é essencial para o crescimento do país.

Afonso Eça

Cofundador da Raize

Um dos grandes objetivos da Raize com a entrada da empresa em bolsa é alargar a base acionista da plataforma que, para além dos fundadores conta com a participação de investidores nacionais como a Simum SGPS, Partac SGPS e a Parinama SGPS, ligadas às famílias Champalimaud e Salvador Caetano, e Luís Delgado, ex-dono da Time Out em Portugal e que, como o ECO escreveu recentemente, deverá fechar negócio para a compra da revista Visão ao grupo Impresa em breve.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portuguesa Raize prepara entrada na bolsa de Lisboa em 2018

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião