Tribunal decide se Urban reabre as portas até dia 4 de dezembro

Providência cautelar para tentar reabrir a discoteca vai ser julgada nos próximos dez dias depois do Ministério da Administração Interna ter dito ao tribunal que os efeitos do despacho se mantêm.

A providência cautelar interposta pelo Urban Beach para reabrir ao público, depois da ordem de encerramento do Ministério da Administração Interna, foi rejeitada pelo tribunal esta sexta-feira pelas 18h00. O ministério alegou interesse público para que a discoteca permanecesse encerrada.

Fonte oficial do gabinete de Eduardo Cabrita disse ao ECO que o Ministério se pronunciou no prazo de 24 horas dado pelo tribunal para que se “mantivesse o efeito do despacho”. Um despacho emitido na sexta-feira 3 de novembro que determinava “o encerramento do estabelecimento K Urban Beach, na sequência dos acontecimentos da madrugada de 1 de novembro”. Ou seja, a agressão a dois jovens junto às instalações da discoteca. A decisão foi tomada com base numa “avaliação” que “assentou igualmente nas 38 queixas efetuadas à PSP sobre este estabelecimento ao longo do ano de 2017”.

Com esta posição, as portas da discotecas continuam fechadas — porque os critérios de ordem pública sobrepõem-se a tudo o resto. E o futuro do Urban volta às mãos do tribunal, que tem agora dez dias úteis para julgar a providência cautelar. O advogado do grupo K não dá a guerra por perdida, apenas esta batalha. Em declarações ao ECO, José Maria Fabião, disse: “Ainda vai ser realizado o julgamento da providência cautelar, sendo que a decisão será conhecida dentro de dez dias”.

Ainda vai ser realizado o julgamento da providência cautelar, sendo que a decisão será conhecida dentro de dez dias.

José Maria Fabião

Advogado do Grupo K

Ou seja, até segunda-feira, 4 de dezembro será tomada uma decisão sobre se a discoteca está em condições para reabrir ao público.

Entretanto, o Grupo K já está a trabalhar com a PSP para tentar que todos os detalhes de segurança fiquem conformes com as regras de modo a que tudo esteja em condições para que o estabelecimento reabra o mais depressa possível.

Aliás, fonte oficial do MAI fez questão de sublinhar que, ao contrário do que tem vindo a ser veiculado, a intensão do Executivo não é fechar a discoteca por seis meses. “O despacho tem uma duração de seis meses, ou seja, o Urban tem seis meses para fazer as alterações. Se o fizerem no próximo mês e se as autoridades entenderem que está tudo conforme com as normas pode reabrir imediatamente”, disse a mesma fonte.

O despacho tem uma duração de seis meses, ou seja, o Urban tem seis meses para fazer as alterações. Se o fizerem no próximo mês e se as autoridades entenderem que está tudo conforme com as normas pode reabrir imediatamente.

Fonte oficial do MAI

E é nesse pressuposto que Paulo Dâmaso, proprietário do espaço de diversão noturna, tem vindo a trabalhar até porque estão confiantes que a decisão do tribunal será a seu favor.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal decide se Urban reabre as portas até dia 4 de dezembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião