Empresas públicas falham na comunicação dos salários

  • ECO
  • 20 Novembro 2017

A Unidade Técnica de Acompanhamento e Monitorização do Setor Público Empresarial identificou que mais de metade das empresas públicas não reporta os salários dos gestores.

A regulamentação do setor empresarial do Estado não está a ser cumprida no seu todo. A Unidade Técnica de Acompanhamento e Monitorização do Setor Público Empresarial (UTAM) alerta, segundo o Correio da Manhã (acesso pago), que mais de metade das empresas públicas não divulgaram os salários do ano passado auferidos pelos membros dos conselhos de administração.

O balanço feito pela UTAM revela que, num universo de 226 empresas públicas registadas, 118 ainda não tenham enviado os relatórios relativos a 2016. Ou seja, 108 entregaram. 70 relatórios estão em condições de serem aprovadas.

De acordo com o Correio da Manhã, os relatórios devem conter a descrição da remuneração dos gestores, as despesas de representação e outros benefícios. Entre as empresas estão a Soflusa, a Transtejo e a Otlis (Operadores de Transporte da Região de Lisboa), a AICEP Global Parques e Navegação Aérea de Portugal (NAV).

Ainda existem cinco empresas que não cumpriram esse dever relativo a 2015. Segundo o jornal, desde 2013 que esse reporte ao Ministério das Finanças é obrigatório.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Empresas públicas falham na comunicação dos salários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião