Justiça quer bloquear fusão entre AT&T e Time Warner

  • Juliana Nogueira Santos
  • 21 Novembro 2017

Segundo o Departamento de Justiça, o negócio põe em causa as leis da concorrência, limitando preços e inovação.

A AT&T quer criar um dos maiores colossos da história dos media através da compra da Time Warner, mas a Justiça norte-americana está empenhada em que tal não venha a acontecer. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos entregou uma ação, contestando este negócio de 108 mil milhões de dólares por pôr em causa as regras da concorrência.

A AT&T é a maior operadora de televisão por subscrição no território norte-americano, com uma quota de mercado de mais de 25 milhões de clientes. Ao comprar a Time Warner, dona de gigantes do conteúdo como a CNN e a HBO, haverá a possibilidade de esta restringir os conteúdos e limitar a inovação, consequências já apontadas a outros negócios do meio.

“Se esta fusão fosse aprovada, a nova empresa poderia utilizar o controlo dos conteúdos populares da Time Warner como uma arma para prejudicar os concorrentes“, aponta o Departamento de Justiça na ação entregue nos tribunais. “A AT&T iria levantar obstáculos aos seus rivais, forçando-os a pagar mais centenas de milhões de dólares para ter acesso aos conteúdos da rede Time Warner, e iria usar o seu poder reforçado para abrandar a transição da indústria para modelos de distribuição mais recentes e dinâmicos, que oferecem mais escolhas ao consumidor”.

"Se esta fusão fosse aprovada, a nova empresa poderia utilizar o controlo dos conteúdos populares da Time Warner como uma arma para prejudicar os concorrentes.”

Departamento de Justiça

Construindo este cenário hipotético caso a fusão avance, a Justiça norte-americana conclui que “a fusão proposta resultaria em menos ofertas inovadoras e contas mais altas para as famílias americanas”, invocando as normas do Clayton Act, a lei que regula os mercados em termos de concorrência.

A AT&T já respondeu às acusações, com o presidente executivo da operadora a garantir que a lei está do lado do negócio. Randall Stephenson afirma que este processo “força a própria ideia de leis da concorrência para além do ponto de rutura” e que, com certeza, foi feito para agradar a Washington, quer tenha havido influência governamental ou não.

Processo com assinatura Trump?

Ainda antes de pisar pela primeira vez o chão da Sala Oval como Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump já tinha expressado o seu desagrado em relação a este negócio. Durante a campanha, o republicano prometeu que a sua Administração não iria deixar avançar a fusão, visto que punha “demasiada concentração de poder nas mãos de poucos.”

Já no início deste ano, após ter sido eleito, terá reiterado a um confidente que a compra da Time Warner pela AT&T seria um mau negócio para o país, justificando que irá criar uma grande concentração de poder na indústria dos media. Para além disso, a CNN, uma das marcas mais poderosas da rede Time Warner, é um dos alvos mais frequentes das críticas do agora presidente, caracterizando-a como “fake news”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Justiça quer bloquear fusão entre AT&T e Time Warner

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião