Altice afunda 10%. Acionistas apresentam queixa por causa do colapso em bolsa

Um grupo de acionistas da Altice vai apresentar queixa por causa do colapso na bolsa nas últimas sessões, considerando-se enganados pelo grupo francês. Ações voltam hoje às quedas acentuadas.

A Altice está de novo no olho do furacão do mercado. As ações regressam às quedas acentuadas na bolsa de Amesterdão esta quarta-feira com dúvidas em torno da sustentabilidade da dívida. É por causa do colapso na bolsa que um grupo de acionistas vai apresentar uma queixa junto das autoridades francesas devido à “difusão de informações falsas ou enganosas” por parte da multinacional liderada por Patrick Drahi.

Os títulos da Altice derraparam 9,53% na sessão holandesa, tendo tocado um novo mínimo de três anos nos 7,50 euros. É um desempenho que surge depois da notícia de que a Altice pretende vender algumas torres de comunicações em França à Cellnex e à TDF. A operação visa aliviar o fardo da dívida do grupo, mas não está a convencer os investidores.

“O montante que a Altice vai conseguir com as torres e com os ativos periféricos não será suficiente para retirar a pressão exercida sobre as ações”, comentou Saeed Baradar, analista da Louis Capital, citado pela agência Bloomberg. Baradar considera que a venda dos ativos nos EUA e na periferia será a única opção. “Não há nenhum suporte” fundamental ou técnico para a atual cotação, que deverá cair para os seis euros, salienta o especialista.

Eduardo Garcia Arguelles, analista da GVC, lembra que os ativos em França e Portugal “encaixam positivamente” no portefólio da Cellnex. Em Portugal, a Altice detém a Meo e está em vias de finalizar a compra da Media Capital por 440 milhões de euros.

Acionistas queixam-se do colapso

Desde o início do ano, as ações perdem 59%. A Altice tem sido fortemente castigada nas semanas mais recentes depois de o profit warning lançado na apresentação dos maus resultados trimestrais ter colocado o mercado em sobressalto em relação à elevada dívida do grupo que totaliza os 50 mil milhões de euros.

Pressionado pelos investidores, o fundador Patrick Drahi anunciou pouco tempo depois uma inversão na estratégia de expansão da Altice (alimentada sobretudo com recurso a dívida). Admitiu vender alguns ativos para retemperar os ânimos do mercado. Mas não foi o suficiente para impedir novas quedas bolsistas.

É por causa do colapso na bolsa que meia centena de acionistas da Altice vai apresentar uma queixa junto das autoridades francesas. Reclamam porque o grupo francês promoveu a “difusão de informações falsas ou enganosas”, segundo confirmou à agência France Presse (acesso gratuito/conteúdo em francês) o advogado destes queixosos.

“São as primeiras queixas apresentadas neste caso,” declarou Frédérik-Karel Canoy.

Este grupo de acionistas argumenta que o grupo francês anunciou uma redução da sua dívida entre 2015 e 2017 e sobre a qual assumiu erroneamente ter um “controlo absoluto”. Mas depois de “política de aquisição de grande envergadura” a dívida atingiu “um nível considerável próximo dos 50 mil milhões de euros”, queixam-se estes lesados da Altice.

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Altice afunda 10%. Acionistas apresentam queixa por causa do colapso em bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião