Limitar turismo em Lisboa? “Voltaremos a ter sossego, mas daquele assustador”

O presidente da Associação de Agências de Viagens apela ao Governo que negoceie com a Câmara de Lisboa para que não sejam impostos limites ao turismo.

A Câmara Municipal de Lisboa prepara-se para limitar o turismo na cidade e as reações dos operadores do setor não se fazem esperar. Pedro Costa Ferreira, presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT), não tem dúvidas: impor quotas ao alojamento local ou travar a concessão de licenças à hotelaria vai trazer o sossego de volta à cidade, mas não o sossego que se procura. Será “daquele assustador” e trará de volta o medo dos “assaltos, drogas e prostituição”.

“Comungamos dos objetivos de harmonização do crescimento com a qualidade de vida dos habitantes da cidade e consideramos que o trabalho na área do turismo tem sido muito meritório”, começou por dizer Pedro Costa Ferreira, no discurso de abertura do 43º Congresso Nacional da APAVT, que este ano decorre em Macau. Ainda assim, sublinhou, “nenhum plano de harmonização deve afastar a atividade turística, antes deve tê-la permanentemente em conta“.

Por isso, o presidente da APAVT apelou à Secretaria de Estado do Turismo e à Confederação do Turismo de Portugal (CTP) para que se envolvam nas negociações com a Câmara de Lisboa e evitem os limites que Fernando Medina prevê impor já a partir do próximo ano.

"Se não tivermos cuidado, voltaremos a ter sossego nas ruas de Lisboa. Mas daquele sossego assustador, que acompanha quem não pode sair à rua, com medo de ser assaltado, das drogas e da prostituição.”

Pedro Costa Ferreira

Presidente da APAVT

“Estamos a trabalhar em cima de realidades que cresceram muito, mas que se mantêm, acreditem, frágeis. Se não tivermos cuidado, voltaremos a ter sossego nas ruas de Lisboa. Mas daquele sossego assustador, que acompanha quem não pode sair à rua, com medo de ser assaltado, das drogas e da prostituição”, salientou Pedro Costa Ferreira. “Por maior que seja o êxito, medidas inadequadas podem fazer regressar às ruas de Lisboa tempos recentes, aos quais ninguém quererá voltar”, concluiu.

Lei de proteção de dados “ameaça expulsar empresas do espaço económico”

Pedro Costa Ferreira aproveitou o discurso de abertura para falar do novo regulamento europeu sobre a proteção de dados, o regime que entra em vigor em maio do próximo ano e que visa garantir mais proteção aos cidadãos europeus no que diz respeito à privacidade e aos dados.

O cenário é perfeitamente aterrador. A lei é tão pouco clara, que as empresas não sabem ainda como a cumprir; as tentativas de cumprimento atiram-nos para empresas de consultoria que se multiplicam, com ofertas de implementação de dezenas de milhares de euros; a própria lei ameaça com multas que, por si só, podem determinar o fecho de uma empresa”, criticou o presidente da APAVT.

E acrescentou: “Curioso espaço económico este, o espaço económico europeu, que nos coloca sobre as cabeças regulamentos que, a irem em frente sem mais alterações, ameaçam expulsar do espaço económico micro e pequenas empresas que operam há décadas no mercado, empresas que são nem mais nem menos do que as principais responsáveis pelo desenvolvimento económico, pelo emprego, e pelo bem-estar das pessoas”.

Pedro Costa Ferreira criticou ainda os “burocratas saloios e ignorantes, embriagados pelo poder” e os “lobbies capazes de criar oportunidades de mais faturação”, apelando à secretária de Estado do Turismo que clarifique a lei e promova “um cenário de implementação que respeite a capacidade de financiamento do setor”.

A jornalista viajou a Macau a convite da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Limitar turismo em Lisboa? “Voltaremos a ter sossego, mas daquele assustador”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião