Banco francês Société Générale vai cortar mais 900 empregos até 2020

  • Lusa
  • 28 Novembro 2017

Banco francês anunciou os cortes na estrutura na véspera de apresentar aos investidores o plano estratégico para 2020. Nos próximos três anos, serão fechadas mais 300 agências do Société Générale.

O Société Générale vai reduzir mais 900 postos de trabalho em França até 2020, anunciou, esta terça-feira, o branco francês, reforçando os cortes na estrutura que já estavam previstos fazer. A anunciada saída de 900 trabalhadores soma-se ao corte de 2.550 funcionários que o banco já tinha anunciado, em 2015 e 2016.

Assim, o Société Générale deverá chegar a 2020 com menos quase 3.500 funcionários do que tem atualmente. O banco prevê ainda fechar mais 300 agências nos próximos três anos, passando das atuais 2.000 para 1.700 em 2020.

Este anúncio foi feito pelo Société Générale em vésperas da apresentação aos investidores do plano estratégico para 2020, que deverá incluir poupanças de 1.100 milhões de euros e planos para aumentar o negócio em 3% por ano.

O Société Générale é um dos bancos mais importantes de França e dos maiores do mundo. Em Portugal, a operação é pequena.

Nos últimos anos, os bancos têm vindo a reduzir consideravelmente as suas estruturas, desde logo com cortes de trabalhadores, com o objetivo de reduzir custos e melhorar resultados. A mesma tendência tem acontecido em Portugal, com a saída de milhares de trabalhadores, através de processos de rescisões formais levados a cabo pelos bancos (nomeadamente rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas, mas também despedimentos coletivos).

Em 2016, cerca de 2.000 funcionários saíram dos cinco principais bancos a operar em Portugal (Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander Totta, Novo Banco e BPI), quase o dobro dos cortes de postos de trabalho feitos em 2015.

Já este ano, até setembro, mais de 1.300 trabalhadores saíram dos mesmos cinco principais bancos e pelo menos mais 500 ainda sairão até ao início de 2018, segundo contas feitas pela Lusa.

A maior vaga de saídas, entre janeiro e setembro, aconteceu no Novo Banco, com a redução em 390 do número de trabalhadores. Já do BPI saíram este ano 347 trabalhadores até setembro e da Caixa Geral de Depósitos foram 298 saídas de empregados. Do Santander Totta saíram 269 pessoas nos primeiros nove meses do ano. Já no BCP a redução foi menor, de 52 trabalhadores até setembro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco francês Société Générale vai cortar mais 900 empregos até 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião