Governo opôs-se a taxa sobre as renováveis para evitar riscos de litigância judicial

  • Lusa
  • 28 Novembro 2017

O Governo opôs-se à proposta para taxar os produtores de energias renováveis para evitar riscos de futura litigância judicial, adiantou fonte da secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares.

O Governo opôs-se à proposta do Bloco de Esquerda para taxar os produtores de energias renováveis para evitar riscos de futura litigância judicial, alegou hoje à agência Lusa fonte da Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Na sexta-feira, numa primeira votação no âmbito do processo de especialidade do Orçamento do Estado para 2018, o PS aprovou a proposta apresentada pelo Bloco, mas, depois, pediu a repetição da apreciação do diploma e na segunda-feira votou contra, chumbando-o.

A exceção foi o deputado socialista eleito por Vila Real Ascenso Simões, que furou a disciplina interna e manteve o voto favorável.

Uma mudança de posição que levou o Bloco de Esquerda a acusar o Governo de “deslealdade” e de “quebra da palavra”, com o dirigente bloquista Jorge Costa a considerar que esta atuação política dos socialistas terá consequências políticas a prazo.

Pela parte do Governo, no entanto, é rejeitada a tese de que a questão da taxa sobre os produtores de energias renováveis tenha sido matéria estruturante das negociações do Orçamento do Estado para 2018, e “muito menos” que tenha existido da parte do executivo e da bancada do PS qualquer rutura ao nível de um compromisso assumido com o Bloco de Esquerda.

Fonte da Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares referiu à agência Lusa que, perante a proposta inicial apresentada pelo Bloco de Esquerda sobre “contribuição solidária” das elétricas a operar em Portugal, a bancada do PS iria votar contra.

Na passada quinta-feira à noite, porém, com a apresentação pelo Bloco de Esquerda de uma proposta de substituição da inicial sobre energias renováveis – uma proposta que teve “trabalho de articulação por parte de elementos do Ministério da Economia e sem que o Ministérios das Finanças levantasse qualquer obstáculo” -, foi então decidido que se abriria por parte do Governo um período de apreciação em relação à nova matéria introduzida”.

“Nesse sentido, apenas para viabilizar esse trabalho de análise por parte do Governo, o PS votou a favor da proposta do Bloco de Esquerda na sexta-feira, durante as votações da especialidade. Após o fim de semana, o Governo encerrou então o seu trabalho de análise e concluiu que seria imprudente a aprovação da proposta do Bloco de Esquerda, já que continha riscos graves de litigância jurídica” com as empresas produtoras de energias renováveis, justificou o mesmo elemento da Secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Por essa razão, de acordo com o Governo, o Grupo Parlamentar do PS requereu nova votação e na segunda-feira chumbou a proposta de substituição do Bloco de Esquerda.

Ainda segundo o mesmo responsável do executivo, no trabalho de análise da proposta do Bloco de Esquerda, o Governo teve em consideração o caso espanhol, em que o executivo de Madrid está a enfrentar “uma séria litigância judicial” com as empresas elétricas, depois de adotar uma medida semelhante.

Na segunda-feira, momentos antes da votação final global do Orçamento, a dirigente do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua fez duras críticas ao Governo e ao PS.

“Não nos queixamos apenas da deslealdade de ter rasgado o compromisso com o Bloco, o que já não seria pouco, porque a lealdade parlamentar baseia-se na palavra dada. Queixamo-nos da oportunidade que o país perdeu”, afirmou.

Logo a seguir, também numa alusão à proposta do Bloco para criar uma “contribuição solidária” a incidir sobre as elétricas, o presidente do Grupo Parlamentar do PS, Carlos César, respondeu que os socialistas “não estão reféns de nenhuma empresa, nem de nenhum partido” na Assembleia da República.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo opôs-se a taxa sobre as renováveis para evitar riscos de litigância judicial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião