Hattrick em Wall Street com ajuda de Jerome Powell

Os três principais índices norte-americanos renovaram máximos históricos. Investidores mais calmos com Jerome Powell a mostrar intenções de manter a política monetária seguida pela Fed até aqui.

As bolsas de Nova Iorque avançaram a todo o gás esta terça-feira e renovaram máximos, num dia em que a reforma fiscal de Donald Trump viu uma luz ao fundo do túnel. Os investidores também estiveram de olhos postos nas declarações de Jerome Powell de que, caso se confirme a sua nomeação para a liderança da Reserva Federal, não deverá mudar muito a política seguida pela Fed até aqui. A pressionar esteve apenas o lançamento de um novo míssil balístico por parte da Coreia do Norte.

Neste contexto, o S&P 500 avançou 0,98% para 2.627,04, com o setor da banca entre os melhores desempenhos. O índice renovou um máximo histórico de 2.627,69 pontos durante a sessão. O tecnológico Nasdaq avançou 0,49% para 6.912,36, conseguindo tocar um máximo de 6.914,19 pontos. Já o industrial Dow Jones valorizou 1,09% para 23.836,71 pontos, tendo atingido um pico máximo de 23.849,61 pontos, num dia em que o petróleo recua 0,33% em Nova Iorque, para 57,92 dólares o barril.

Jerome Powell, nomeado para suceder a Janet Yellen na Fed, mostrou-se esta terça-feira disposto a manter a mesma abordagem no que toca a política monetária que a entidade adotou até aqui, sobretudo quanto ao aumentar dos juros de forma gradual à medida que a economia vai melhorando. O testemunho de Jerome Powell acalmou os ânimos dos investidores.

Esta semana decorre também uma maratona de discussão em torno da prometida reforma fiscal de Donald Trump. A nova legislação só deverá ser votada na quinta-feira. No entanto, esta terça-feira, o chefe do comité estatal norte-americano responsável por este tipo de legislação, Kevin Brady, considerou que as duas câmaras do Congresso irão encontrar “pontos de acordo” acerca da mesma, dando força à tese de que os impostos vão mesmo baixar para as empresas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hattrick em Wall Street com ajuda de Jerome Powell

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião