Montepio vende seguros aos chineses da CEFC Energy

  • Rita Atalaia
  • 28 Novembro 2017

A Associação Mutualista, dona do Montepio, anunciou em setembro uma parceria com o grupo chinês, que acabou por resultar na venda de uma participação maioritária do Montepio Seguros.

O Montepio vendeu uma participação maioritária da sua unidade de seguros ao grupo chinês CEFC China Energy. A operação, cujo valor não foi revelado, vem no seguimento de uma parceria assinada entre os chineses e a Associação Mutualista, dona do Montepio, num acordo que envolve várias participações em empresas financeiras da entidade liderada por Tomás Correia.

“O acordo será feito através de um aumento de capital” da seguradora, afirma o grupo chinês um comunicado divulgado no site, citado pelo Mergermarket. Mas “a transação está ainda sujeita à aprovação dos acionistas e do regulador português”, acrescenta o CEFC China Energy. O Montepio Seguros inclui a Lusitânia Seguros, Lusitânia Vida e N Seguros.

Ao ECO, fonte oficial da Associação Mutualista confirma que foi vendida uma participação maioritária na seguradora à empresa chinesa e que ainda falta a luz verde da entidade reguladora, a Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões, e do conselho geral da Associação. Mas a entidade liderada por Tomás Correia não avança qual é o valor do aumento de capital nem da participação maioritária vendida ao grupo chinês.

Foi em setembro que a Associação Mutualista assinou uma parceria estratégica com o grupo chinês CEFC Energy. Este acordo assinado entre a entidade liderada por António Tomás Correia e a empresa de energia chinesa envolve várias participações em empresas financeiras da Associação, mas exclui qualquer investimento na Caixa Económica Montepio Geral.

Este acordo, assinado entre o vice-presidente da empresa chinesa, Hongbing Wu, e o CFO da Associação Mutualista, Miguel Teixeira Coelho, deve resultar, disse a entidade, numa “parceria estratégica de longo prazo para uma potencial cooperação empresarial multidimensional”, num acordo vantajoso para ambas as partes. Esta parceria foi assinada depois de a Associação Mutualista ter colocado a seguradora Lusitânia à venda.

(Notícia atualizada às 14h46 com a resposta da Associação Mutualista.)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Montepio vende seguros aos chineses da CEFC Energy

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião