Portugal e EUA assinam acordo para promover gás natural liquefeito

  • Lusa
  • 28 Novembro 2017

Os dois países assinaram uma declaração com vista à promoção do gás natural liquefeito atlântico. Documento reconhece a "importância estratégica do Porto de Sines" neste âmbito.

Portugal e os Estados Unidos assinaram esta terça-feira uma declaração com o objetivo de promover o gás natural liquefeito (GNL) marítimo, indicou o Ministério do Mar.

“A ministra do Mar de Portugal, Ana Paula Vitorino, reuniu com uma delegação de alto nível de diplomacia energética do Department of State dos EUA, no âmbito da 18.ª edição da World LNG Summit, que se realiza em Lisboa, de 27 de novembro a 1 de dezembro. Do lado norte-americano participaram o subsecretário de Estado adjunto de Energia e Recursos Naturais, John McCarrick, e o embaixador dos EUA em Lisboa, George Glass”, lê-se na nota enviada à comunicação social.

Conforme indica a mesma fonte, os dois países emitiram uma declaração conjunta que “sublinha a importância estratégica do Porto de Sines como hub [centro de abastecimento] de GNL atlântico e da relação de Portugal-EUA na promoção do GNL marítimo como fator de reforço da diversificação da segurança energética europeia”.

Em 2016, o Porto de Sines recebeu a primeira carga de GNL para a Europa e, a partir daí, continuou a ser o principal destino europeu para o gás natural liquefeito dos EUA. “As exportações de GNL dos EUA contribuem para a criação de empregos no setor energético, para diminuir os preços, ajudam a reforçar a segurança energética europeia e reduzem as emissões do setor”, acrescenta o Ministério do Mar.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal e EUA assinam acordo para promover gás natural liquefeito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião