Vila Galé no Brasil vão ter plataforma da Infraspeak

Startup portuguesa arranca com projeto na rede de sete hotéis do grupo nacional no Brasil. Unidades hoteleiras passam a usar a plataforma para gerir operações técnicas e de manutenção.

A startup portuguesa Infraspeak dá mais um passo na internacionalização da empresa. Depois da experiência bem-sucedida em 20 hotéis do grupo Vila Galé em Portugal, a empresa liderada por Felipe Ávila da Costa entra na operação das unidades hoteleiras do grupo no Brasil.

O software de gestão de operações e manutenção desenvolvido pela empresa com base no Founders Founders, no Porto, permite à equipa do hotel “ler com maior precisão as informações de cada equipamento ou local, e assim realizar ainda melhor o seu trabalho”, avança a empresa em comunicado.

“Com o Infraspeak no telemóvel, eles leem as etiquetas NFC e acedem todos os dados para a realização da tarefa, comunicam em tempo real os consumos, medições, fazem auditorias, entre outras funcionalidades na plataforma”, detalha a empresa.

Vila Galé Marés Resort, na Baía.D.R.

Só no grupo Vila Gale, a Infraspeak soma 1,5 milhões de tarefas registadas, o que significa uma poupança do mesmo número de impressão de folhas de serviço já que a agenda de trabalho fica disponível através de uma aplicação móvel. Essa informação é também enviada em tempo real para os gestores dos 28 hotéis.

“Ficamos orgulhosos de ver que os próprios clientes da Infraspeak querem expandir connosco. Eles veem que a plataforma pode fazer mais por eles e estão a investir nisso, e a nos levar junto em suas expansões. É uma excelente parceria”, diz Felipe Ávila da Costa, CEO da Infraspeak.

Com mais de 70 clientes em Portugal, Inglaterra, Angola e Brasil, a empresa cresceu 282% em número de clientes e 243% em faturação em 2016.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vila Galé no Brasil vão ter plataforma da Infraspeak

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião